A morte de Sardanápalo (1827)

Sobre uma cama monumental disposta em diagonal no quadro, de Eugène Delacroix,parece um homem tumbado indolentemente. Olha com ar indiferente a cena que se desenvolve a sua volta: corpos de mulheres em êxtase, orientais de olhar salvagem, um cavalo suntuosamente decorado entre tesouros amontoados. Se está celebrando uma orgia da morte. O núbio de pele escura tem afundado sua espada até o cabo no corpo do cavalo, as mulheres nuas já tem morrido ou estão sendo sacrificadas, a direita e a esquerda da cama vermelha há vigas de madeira que num instante serão presas das chamas, a cena se desenvolve sobre uma pira.
Esta cena Representa ao rei de Babilônia, Sardanapalo que segundo a lenda, teria defendido durante três anos sua capital contra um inimigo superior, mas tal como a profecia augurara, quando o Eufrates saiu de seu curso e derrubou as muralhas da cidade, o soberano deu-se por vencido. “Mandou levantar uma imensa pira no seu palácio juntou todo o ouro e a prata, assim como suas roupas reais, se encerrou com suas concubinas e eunucos na sala do coração da fogueira, e se abandonou a chamas junto com seu palácio” nada do que tinha dado-lhe prazer devia sobreviver sua morte.
A lenda, pouco tem a ver com a personagem histórica de Sardanapalo. Este rei se converteu num personagem legendário, na encarnação de um irresponsável. Se diz que sobre sua tumba rezava o seguinte epitáfio: “Hei comido, bebido e tenho-me divertido, nada me foi mais valioso que uma fibra de palha”
Segundo Diodoro só no campo de batalha se revelou como um homem de ação lutando com valentia. No resto superou a todos seus predecessores em luxo e preguiças… viveu como uma mulher, se passava os dias com suas concubinas… levava roupas de mulher se cobria o rosto e o corpo para ter a pele branca… convertendo-se assim num ser mais delicado que uma mulher amante de luxo(…)

Continua…

Mónica Villares Ferrer, Mestre em História da Arte.
02/06/2010.

Bibliografia
HAGEN, Rose-Marie e Rainer: Los secretos de las obras de arte: Del tapiz de Bayeux a los murales de Diego Rivera. Tomo II. Singapura: TASCHEN, 2005. P. 560/565.

Artista

DELACROIX, Eugène

Data

1827

Local

Paris, musée du Louvre

Medidas

395 x 495 cm

Técnica

Óleo sobre tela

Suporte

Pintura

Tema

A Figura Humana Retratos e Caricaturas

Período

50 - SÉCULO XIX

Index Iconografico

1700B4 - Personagens não-contemporâneas

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *