A morte de Sofonisba

A história de Sofonisba é narrada por Tito-Lívio, De urbe condita, XXX, xiv-xv. Um resumo circunstanciado desta passagem do historiador romano encontra-se no texto que acompanha a têmpera homônima de Andra Mantegna na National Gallery de Londres.

A referência para a datação desta pintura atribuída a Giampietrino é sua proximidade com algumas pinturas de Leonardo da Vinci (1452-1519), como por exemplo, as duas versões da Leda (Devonshire Collection, Chatsworth e Museum Boijmans Van Beuningen, Rotterdam) datadas entre 1505 e 1510. As feições femininas, o brilho da pigmentação da carne, a força expressiva dos olhares de seus personagens são algumas das características que as unem.

No entanto, o que vale ressaltar nesta pintura é outra influência sentida por Giampietrino que o desloca do típico centro milanês da escola leonardesca para uma referência cada vez mais influente entre os artistas milaneses: as produções de demais regiões da Itália, neste caso com a pintura veneziana, mais radical na organização da figura e do campo visual do quadro a partir da cor.

A pintura em questão dialoga diretamente com outra de mesmo tema, A Morte de Sophonisba* (Museo Civico di Castelvecchio, Verona) de Giovanni Francesco Caroto (1488c.-1562). Sabe-se que em 1507 Caroto encontrava-se em Milão, data provável em que Giampietrino pode tê-lo conhecido. No entanto, as datações de ambas as pinturas baseiam-se apenas em conjecturas.

A de Giampietrino sugere maior relação com o período final de sua carreira, poderíamos dizer, portanto, a partir de 1520, quando sua paleta ganha cores mais vívidas, como podemos perceber em obras como Diana caçadora (Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque), Salomé (coleção privada, Londres), entre outras.

A influência é bastante clara. O que as diferenciam é o fascínio do artista lombardo pela representação do nu, seja ele através de nuances, mais no caso das pinturas religiosas como as cenas de amamentação da Virgem ou mesmo nos temas profanos. Os intensos drapeados de Caroto dividem o protagonismo da cena com a personagem, eles apenas sugerem a forma corporal enquanto que Giampietrino as exibe.

A aplicação cromática da composição veneziana ajuda na obtenção da volumetria, das texturas, da profundidade, enquanto que a lombarda parece investir mais na elaboração gráfica de suas formas, o peso do panejamento. Os limites das figuras ainda são marcados mais por um reforço linear que pela pincelada. Percebe-se que o interesse de Giampietrino nos intensos investimen

Artista

Giampietrino, Gian Pietro Rizzi, chamado

Data

1520c.

Local

Isolla Bella, Coleção Borromeo

Medidas

95 x 71 cm

Técnica

Óleo sobre madeira

Suporte

Pintura

Tema

Mitologia, História e Topografia Antigas

Período

36 - SÉCULO XVI

Index Iconografico

320 - Os Cipiões; 320.2 - A morte de Sofonisba em 203 a.C.

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *