Aquiles tenta abraçar o espectro de Pátroclos

“Registro inventarial: inv. n. 2562

A cena representa Aquiles adormecido e envolto em uma
luminosidade misteriosa no momento em que em vão se projeta
para abraçar o espectro de Pátroclos que lhe aparece em
sonho. Ela remete a uma passagem do Canto XXIII da Ilíada,
50-91:

“”Só nas praias flutíssonas Aquiles
No meio jaz dos Mirmidões, num sítio
Onde a vaga rugia; e, quando o sono
Meigo lhe esparge o alívio do cansaço,
De perseguir Heitor perante os muros
E de tanto chorar, espectro em sonhos,
Ao mísero Patroclo parecido
Em trajo, em voz, no talhe e belos olhos,
Põe-se-lhe à cabeceira: ´Aquiles dormes?
E o morto esqueces que na vida amaste:
Sepulta-me, que junto às portas erro
Da ampla casa Plutônia; dos finados
Repulsando-me as almas, não permitem
Com elas misturar-me além do Estinge.
Dá-me essa mão, que em lágrimas eu lave;
Combusto apenas, do Orco mais não torno
Em segredo não mais consultaremos!
Tragou-me a sorte que do berço tive;
A tua é perecer, divino Aquiles,
Aos muros dos belígeros Troianos.
Peço-te e recomendo que os meus ossos
Unas aos teus, Pelides, já que unidos
Criados fomos, dês que lá de Opunte
Mocinho com Menetes vim a Ftia,
Porque, ao jogo irritado, involuntário
Matei sem tento o filho de Anfidamas.
Teu pai me recolheu benignamente,
Alimentou-me e nomeou teu pajem;
Nossos ossos encerre a de asas de ouro
Urna pela mãe a ti doada´
´A mim, dileto irmão, responde Aquiles,
Vens com tais ordens? Vou cumpri-las todas.
Ah! chega-te, e sequer nos abracemos,
Desabafo ao pesar`. E as mãos lhe estende,
Mas nada abraça, alteia a sombra um grito,
Como em fumo soterra-se. O Pelides,
Palma com palma atônito batendo,
Mesto profere: ´Oh! Certo há no Orco fundo
Vácuas imagens, não tangíveis corpos:
A alma do meu Patroclo, de estupenda
Semelhança com ele, aqui me intima
Tristíssima e chorosa expressas ordens´.””
(tradução de Odorico Mendes)

Ao lado de outras de Thomas Stothard e Richard Westall, esta
pintura de Johann Heinrich Füssli (1741-1825) conta-se entre
as selocionadas para ilustrar, através de uma gravura de J.
Heath, uma edição da Ilíada e da Odisseia traduzida por
Alexander Pope e publicada em 12 volumes por F.J. Du Roveray
(Londres, 1805). As mesmas ilustrações comparecem de novo na
edição menos popular dos poemas homéricos por William
Cowper, em 1810.

Como nota David Irwin, “”o tema convém idealmente a Füssli,
ao lhe permitir combinar seu profundo amor pela Antiguidade
com seu fascínio pelo sobrenatural””.

O (quase) não-ser das sombras dos mortos no mundo de Homero
tem aqui um testemunho eloquente, questão que o pintor suiço
procura exprimir ao imergir a imagem de Pátroclos num
sfumato que contrasta fortemente com o marcado
desenho do corpo de Aquiles.

Estudando o impacto dos afrescos de Michelangelo na Sistina
e dos afrescos sobre temas da Odisseia executados por
Pellegrino Tibaldi (1527-1596) no Palazzo Poggi, em Bolonha
(1549), Frederick Antal faz notar os modelos visuais da
posição extraordinária do corpo de Aquiles:

the figure of Achilles repeats and further develops the
grandiosity of the curved pose of Tibaldi´s Polyphemus
when blinded by Odisseus
. Since Tibaldi himself, however
original, is unthinkable without Michelangelo, elements from
the two artists are frequently fused in Fuseli: in this case
it is Michelangelo´s Adam from his Creation scene which is
to be found in Tibaldi as well as in Fuseli. When writing in
Pilkington´s Dictionary of Artists of this figure by
Tibaldi, Fuseli noted this particular borrowing from
Michelangelo
.

“”a figura de Aquiles repete e desenvolve a grandeza da pose
curva do Polifemo cegado por Ulisses de Tibaldi. Dado
que o próprio Tibaldi, por original que seja, é impensável
sem Michelangelo, elementos dos dois artistas fundem-se
frequentemente em Füssli. Neste caso, é o Adão de
Michelangelo na cena da Criação do Homem que se encontra em
Tibaldi como em Füssli. Ao escrever no Dictionary of Artists
de Pilkington sobre esta figura de Tibaldi, Füssli notou
este particular empréstimo feito de Michelangelo””.

Füssli retorna ao tema em 1810, mas com uma composição muito
diversa, em um desenho aquarelado com realces de branco,
igualmente conservado na Kunsthaus de Zurich (inv. 1916/22).

Luiz Marques
17/11/2011

Bibliografia:
1956 – F. Antal, Fuseli Studies. Londres: Routledge and
Kegan Paul, p. 97.
1973 – G. Schiff, Johann Heinrich Füssli. Zurich, Cat. n.
1192.
1975 – G. Schiff, Henry Fuseli. Catálogo da exposição,
Londres, Tate Gallery, p. 77.
1988 – D. Irwin, in E. Mai, A. Repp-Eckert, Triomphe et Mort
du Héros. Catálogo da exposição, Lyon. Milão: Electa, p. 363″

Artista

FÜSSLI, Johann Heinrich

Data

1803

Local

Zurich, Kunsthaus

Medidas

91 x 71 cm

Técnica

Óleo sobre tela

Suporte

Pintura

Tema

Mitologia, História e Topografia Antigas

Período

SÉCULO XVIII

Index Iconografico

80 - A Ilíada e a Guerra de Troia; 80aqui - Aquiles; 80patr -
Pátroclos; 80aqui2 - Aquiles e Pátroclos; 450 -
Representações da Psique, da Anima e da Vida post-mortem

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *