Artemísia faz construir o Mausoléu

Localização inventarial: inv. NM.5179

Mausolo foi um sátrapa persa e rei da Cária, reino da costa sudoeste da Anatólia, atual Turquia. Em 353 a.C., data de sua morte, sua irmã e esposa, Artemísia II, manda construir um colossal monumento funerário, o Mausoléu, considerado uma das 7 Maravilhas da Antiguidade e que dá, desde então, nome a todo monumento sepulcral de grandes proporções. Sobre esse monumento, ver os comentários à estátua de Mausolo*, no British Museum.

Como nota Thuillier, é inevítável pôr o quadro de Vouet em relação com a morte de Luís XIII, ocorrida em 14 de maio de 1643, e a consequente viuvez da rainha, Ana de Áustria, que se torna então Regente. Vouet foi por ela em geral muito favorecido e, particularmente, em seu projeto de erguer um pavillon em forma de arco do triunfo na extremidade da Ponte de la Tournelle, em Paris. Neste contexto, o quadro de Artemísia, viúva enaltecedora do falecido esposo e alter-ego de Ana de Áustria, pode ter sido encomendado pela Regente ou a ela oferecido como um presente do pintor mais prestigioso de sua corte.

O quadro mostra os arquitetos Pítios e Sátiro submetendo o projeto do monumento à Artemísia, que, imersa em sua dor, parece opinar a respeito. Vouet dá-lhe a forma de uma planta central com nártex, típica dos monumentos funerários antigos ou dos martyria páleo-cristãos (monumentos erguidos sobre as relíquias de um santo mártir), forma notavelmente assemelhada ao projeto de Bramante (1506), retomado por Michelangelo em 1546, para a nova Basílica de S. Pedro.

Luiz Marques
13/05/2010

Bibliografia
J. Thuillier, Vouet. Catálogo da exposição. Paris, Grand Palais, p. 326

Artista

VOUET, Simon

Data

1643/ 1644

Local

Estocolmo, Nationalmuseum

Medidas

161 x 139 cm

Técnica

Óleo sobre tela

Suporte

Pintura

Tema

Mitologia, História e Topografia Antigas

Período

SÉCULO XVII

Index Iconografico

252 - História da Anatólia após Alexandre; 252Mau - Mausolo, Artemísia e o Mausoléu de Halicarnasso; 848FraL13 - Luís XIII

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *