Victor Noir

O monumento funerário a Victor Noir existente no Cemitério Père Lachaise, em Paris, traz uma representação em tamanho natural do jovem jornalista liberal do periódico Marseillaise, editado por Henri Rochefort.

Yvan Salmon, chamado Victor Noir (1848-1870), foi morto a sangue frio pelo primo de Napoleão III, Príncipe Pierre Bonaparte, em 10 de janeiro de 1870. A indignação que seu … Continue lendo...

Victor Hugo no Rochedo dos Proscritos

O escritor Victor Hugo apostou desde cedo nas múltiplas potencialidades da fotografia e em sua utilização no campo editorial. Durante o exílio em Jersey, encorajou seus filhos, Charles e François-Victor, e um de seus discípulos, Auguste Vacquerie, a abrirem um ateliê de daguerreótipo em sua casa, Marine Terrace, que posteriormente passou a ser um ateliê de fotografia em papel. Ele … Continue lendo...

Victor Hugo no leito de morte

“Victor Hugo morre em Paris em 22 de maio de 1885. A família
chama diversos artistas, entre os quais Félix Nadar, Léon
Bonnat, Etienne Carjat (1828-1906) e Georges Clairin (1843-
1919), para fixar o último aspecto do escritor e a cena de
sua morte, na tradição do gênero pictórico da morte heróica
(ou íntima) do artista, iniciada no século XVIII. … Continue lendo...

Túmulo dos Imperadores

O Túmulo dos Imperadores (1925), localizado na capela da igreja matriz de Petrópolis, foi encomendando ao escultor Rodolfo Bernardelli pela Baronesa de São Joaquim. A encomendante visava um túmulo que se assemelhasse ao do Duque de Nemours na Chapelle St. Louis, em Dreux, na França.

A obra é composta por um só túmulo, contendo os dois caixões, tendo acima duas … Continue lendo...

Túmulo de Manuel Ferraz de Campos Salles (Imagem 3, medalhão)

(continuação do texto que acompanha a imagem 2)

O escultor Rodolfo Bernardelli provavelmente partiu de uma
fotografia para retratar Manuel Ferraz de Campos Salles neste
medalhão.

O escultor representou o político com muita habilidade,
ressaltando a barba e o bigode espessos, que ganharam volume
no relevo e apenas esboçou, com traços suaves, a indicação do
casaco e da camisa. Destaca-se … Continue lendo...

Túmulo de Manuel Ferraz de Campos Salles (Imagem 2, detalhe)

(continuação do texto que acompanha a imagem 1)

A obra foi alterada quando a viúva do político pediu ao
escultor que substituísse a estátua de Campos Salles pela
figura da República, em atitude de quem espalha flores sobre
o sarcófago e com coroas ou palmas nas mãos. A nosso ver,
nesse momento o artista recuperou, para compor a imagem
feminina … Continue lendo...

Túmulo de Manuel Ferraz de Campos Salles (Imagem 1)

Manuel Ferraz de Campos Salles nasceu em Campinas em 1941 e
formou-se em Direito pela Faculdade do Largo de São
Francisco em 1863. Ele assinou o Manifesto Republicano em
1870, tendo sido também um dos realizadores da Convenção de
Itu (1873).

Campos Salles foi Deputado Provincial e Geral e ministro da
Justiça durante o governo provisório da República. Foi ainda … Continue lendo...

Túmulo de José Bonifácio de Andrade e Silva, Parte 2

A escultura realizada por Bernardelli é verdadeiramente impressionante na representação do rosto de Bonifácio. Tendo como base a mascara mortuária do político traz no rosto a deformação causada pelos efeitos da doença e da morte. Trata-se de uma imagem exacerbadamente realista e para realizá-la o artista utilizou a mascara mortuária de José Bonifácio existente no Instituto Histórico e Geográfico do … Continue lendo...

Túmulo de José Bonifácio de Andrade e Silva, Parte 1

O túmulo para o Patriarca da Independência, José Bonifácio de Andrada e Silva, foi encomendado a Rodolfo Bernardelli em 1886 pelo Conselheiro João Alfredo Correia de Oliveira.

O dinheiro foi obtido com verbas do Governo Provincial, complementadas por subscrições públicas, com a colaboração do imperador D. Pedro II, do Conde d`Eu e da Princesa Isabel.

A escultura foi executada na … Continue lendo...

Sem título da série:

A presencia reiterada da reprodução do retrato de José Martí, herói cubano da guerra de independência, é o motivo da série do fotógrafo cubano Ramón Martínez Grandal. O artista se vale desta estrategia do governo cubano mistura de propaganda política e manipulação histórica que tem na reprodutibilidade fotográfica seu melhor instrumento, recurso que compartilha com a antiga União Soviética ao … Continue lendo...