Dama em Verde, Retrato da filha de Matteo Sofferoni (?)

Registro inventarial: RCIN 405754

O enquadramento da figura em relação ao fundo foi alterado por um recorte do suporte nos quatro lados. Este retrato, adquirido por Charles I, rei da Inglaterra, provavelmente da coleção Gonzaga em Mântua, poderia talvez retratar uma filha de Matteo Sofferoni, mencionado por Giorgio Vasari na Vida de Agnolo Bronzino:

Passato poi l´assedio di Firenze e fatto l´accordo, [Bronzino] andò, come altrove s´è detto, a Pesero, dove appresso Guidobaldo duca d´Urbino fece, oltre la detta cassa d´Arpicordo piena di figure, che fu cosa rara, il ritratto di quel signore e d´una figliuola di Matteo Sofferoni, che fu veramente bellissima e molto lodata pittura.

“Passado o assédio de Florença e feito o acordo, [Bronzino] foi, como dito alhures, a Pesaro, onde junto a Guidobaldo, duque de Urbino, fez, além da caixa de harpiscórdio plena de figuras, coisa extraordinária, o retrato daquele senhor e de uma filha de Matteo Sofferoni, pintura verdadeiramente belíssima e muito louvada”.

A atribuição da obra ao jovem Agnolo Bronzino (1503-1572), quando de sua estada em Pesaro (1530-1532) a serviço de Francesco Maria della Rovere, duque de Urbino, e ainda sob forte influência de Pontormo, remonta ao final do século XIX, mas o retrato foi sucessivamente considerado de Rafael (consoante uma antiga inscrição no verso: “Di Mano di Rafaelo da Vrbin”), de Andrea del Sarto e de Girolamo da Carpi (Antal).

A cautelosa proposta de identificação da figura retratada com uma filha de Mattefo Sofferoni remonta a John Shearman. O retrato assemelha-se ao de Lorenzo Lenzi, no Museo di Castello Sforzesco de Milão e a pose da figura anuncia a do Retrato de Ugolino Martelli*, nos Uffizi.

A fisionomia em nada idealizada, o olhar franco que fita o espectador “com desarmante simplicidade” (Pilliod), a ausência de jóias e outros adereços suntuosos indicam um modelo não pertencente à aristocracia, como é o caso da família Sofferoni, pois Matteo era apenas um amigo do artista, além de mercante e funcionário da alfândega de Florença. Foi com frequência reconhecida sua fisionomia no belo retrato de jovem atribuído a Franciabigio (1522) no Museu de Berlim.

Luiz Marques
29/03/2011

Bibliografia
1948 – F. Antal, Observations of Girolamo da Carpi, Art Bulletin, 30, 2, junho, p. 81.
1983 – J. Shearman, The Early Italian Pictures in the Collection of Her Majesty the Queen. Cambridge, pp. 59-61.
1992 – E. Pilliod, “Bronzino´s Household”. The Burlington Magazine, 134, 1067, Fevereiro, p.96
2007 – The Art of Italy in the Royal Collection: Renaissance and Baroque, Londres.
Bibliografia
2010 – E. Pilliod, in C. Falciani, A. Natali, Bronzino. Pittore e Poeta alla Corte degli Medici. Catálogo da exposição. Florença: Mandragora, p. 256

Artista

Bronzino, Agnolo di Cosimo di Mariano, chamado Il

Data

1530/ 1532c.

Local

Windsor Castle, Royal Collections

Medidas

76.6 x 66.2 cm

Técnica

Óleo sobre madeira

Suporte

Pintura

Tema

A Figura Humana Retratos e Caricaturas

Período

36 - SÉCULO XVI

Index Iconografico

1700C - Retratos Pintura; 1700C1 - Retratos contemporâneos

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *