Die Macht (O Poder)

Uma morsa gigante com olhos frontais, conformes à anatomia
humana, eleva-se sobre um monturo de esqueletos humanos e de
outros animais, fitando o espectador com olhos ameaçadores.

O título da obra, Die Macht (O Poder), dispensa
considerações sobre a abissal descrença e repugnância que as
instituições políticas, e as instituições em geral,
suscitavam nos meios artísticos e intelectuais da geração
que assistiu ao colapso das lutas sociais, com o massacre da
Comuna de Paris, e a ascensão do militarismo germânico,
sobretudo após a Guerra Franco-Prussiana de 1870.

A fusão entre o macabro e o fantástico nesta obra, que
prenuncia em ao menos 20 anos o surrealismo, remete também
ao sentimento do potencial monstruoso e aterrorizante das
formas animais – um Leitmotiv de Kubin – bem como às
relações entre o poder e a morte em âmbito psicanalítico.

Após uma infância e uma adolescência marcadas pela morte da
mãe aos dez anos, por uma crônica depressão, uma tentativa
de suicídio em 1896 e um profundo colapso nervoso em 1897,
quando de sua experiência no exército austríaco, Alfred
Kubin (1877-1959) inicia aos 21 anos em Munique sua carreira
artística.

Atraído como tantos outros artistas de sua geração pelo
simbolismo de Max Klinger (1857-1920), Kubin entra em
contato em Munique com outras dimensões do simbolismo,
criadas por James Ensor, Edvard Munch, Odilon Redon,
Félicien Rops e outros, experiências das quais resultam o
mais radical dos pessimismos poéticos desses anos.

Para a formação de seu imaginário contribuem leituras de
Schopenhauer e Nietzsche, e a frequentação do círculo do
cabaré literário e satírico, Die Elf Scharfrichter
(Os 11 Carrascos), animado pela figura extraordinária de
Frank Wedekind (1864-1918), então acompanhado por Frida Uhl,
segunda esposa de August Strindberg.

Em 1902, Alfred Kubin (1877-1959) faz sua primeira e bem
recebida exposição individual na prestigiosa Galerie de Paul
e Bruno Cassirer em Berlim. No ano seguinte, exibe nas
exposições da Secession de Viena e Berlim. O sucesso
de seus desenhos leva à sua reprodução em um portfolio de 15
litografias, publicadas pelo colecionador, editor e mecenas,
Hans von Weber (1872-1924) em 1903. A presente litografia é
o fólio 6 deste caderno.

Luiz Marques
26/11/2011

Bibliografia:
1983 – A. Nigro, Alfred Kubin Profeta del tramonto.
Introdução de Massimo Cacciari. Roma: Officina Edizioni

Artista

KUBIN, Alfred

Data

1903

Local

desconhecido

Medidas

desconhecidas

Técnica

Litografia

Suporte

Pintura

Tema

Alegorias e Temas Artísticos Morais e Psicológicos

Período

SÉCULO XX

Index Iconografico

1100 - Alegorias Intelectuais e Morais; 1100Gue - A Guerra e
os Horrores da Guerra;1100Pod - O Poder; 1178 - O Horrendo,
o Macabro e o Monstruoso; 736 - A dança macabra e o triunfo
da morte

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *