Discóbolo Lancellotti

“O assim chamado Discóbolo Lancellotti é uma cópia romana de idade tardo-adriânea ou antonina a partir do célebre original grego em bronze de Míron de Eleuterai, dos anos 460-440 a.C..

Ativo sobretudo em Atenas ao lado de Kalamis e Pitágoras de Régio, Míron de Eleuterai é conhecido por alguns bronzes muito apreciados pelos escritores antigos e conservados em mármores romanos.

Além do Discóbolo (arremessador de disco), exposto talvez em Esparta, contam-se um “”Mársias e Atena””, grupo brônzeo visto ainda por Pausânias (I 24.1) sobre a Acrópole, um “”Perseu com a cabeça de Medusa”” e a “”Vaca””, igualmente da Acrópole ateniense, uma das mais famosas esculturas animalistas da Antiguidade.

Estrabo (XIV, p. 637e) transmite também a notícia de um colossal grupo brônzeo de Zeus, Atena e Héracles, este último talvez conservado em uma cópia marmórea do Museum of Fine Arts de Boston.

O original de Míron é mencionado em três fontes antigas: Plínio, Quintiliano e Luciano (Philopseudeis xviii), que descreve a escultura pormenorizadamente.

Plínio (Naturalis historia XXXIV, 57-58) refere-se à escultura como exemplo de excelência na compreensão do corpo em seus diversos ângulos, proporções e ritmos:

“”Miron (…) fez (…) um Discóbolo (…). Parece ter sido o primeiro a multiplicar a verdade, sendo mais variado de ritmo que Policleto e mais escrupuloso no que se refere à simetria; e todavia, também ele, posto preocupar-se exclusivamente com o corpo, não cuidou da expressão dos sentimentos””.

A menção à complexidade extrema do corpo do Discóbolo de Miron retorna alguns anos depois em Quintiliano, Inst. orat. II, 13, desta vez como paradigma da dificuldade:

“”O que é mais contorcido e elaborado que o Discóbolo de Miron? Se todavia alguém criticasse a obra como pouco regular, não estaria se distanciando da inteligência da arte, na qual é sobretudo louvável justamente a novidade e a dificuldade?””

O Discóbolo Lancellotti foi encontrado em 1781 na Villa Palombara no Esquilino, propriedade da família Massimo. É a mais notável e íntegra versão do protótipo mironiano, conhecido por diversas cópias, cujo prestígio atinge seu apogeu sobretudo nos anos de hegemonia neoclássica, em parte justamente em virtude desta excepcional descoberta de 1781.

Signo desse prestígio é o fato de que o Discóbolo Lancellotti será disputado por Napoleão e por Ludwig II da Baviera, vindo a ser adquirido por Hitler em 1938 (devolvido à Itália em 1948).

Luiz Marques
04/07/2010

Bibliografia:
1981 – F. Haskell, N. Penny, Taste and the Antique, Yale Un. Press, p. 199″

Artista

Míron de Eleuterai

Data

140/ 160 de um original grego do século V a.C.

Local

Roma, Museo Nazionale Romano, Palazzo Massimo alle Terme

Medidas

155 cm

Técnica

Suporte

Escultura

Tema

Mitologia, História e Topografia Antigas

Período

ARTE GRECO-ROMANA

Index Iconografico

132 - Koúroi, Hoplitas, Efebos e Atletas; 144 - Esportes Olímpicos

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *