Fim de um dia de verão: égloga

Registro inventarial: inv. 68

O quadro representava inicialmente uma cena de mitologia. A
data 1909, aposta pelo artista ao quadro, refere-se à sua
finalização, com acréscimos e sobretudo a substituição de
sátiros dançando por um rebanho de ovelhas, conforme se
depreende de uma carta ao amigo, Grubicy, de 1899, pela qual
se sabe também que a paisagem refere-se às cercanias de
Roma.

Pintor, fotógrafo, ilustrador e arquiteto de origem
bolonhesa, Mario De Maria (1852-1924) é inicialmente um
músico e se afirma como pintor em 1885 quando exibe 18 obras
em uma exposição do grupo In Arte Libertas, de Roma, fundado
por Nino Costa. A partir de 1892, De Maria estabelece-se
definitivamente em Veneza, adotando em seguida o pseudônimo
de “Marius Pictor”, provavelmente alusivo ao pintor de
flores, famoso na Roma no século XVII.

É difícil precisar se De Maria baseia-se em um modelo
concreto para pintar o relevo do sarcófago que, de qualquer
forma, assemelha-se bastante a sarcófagos do século III

Luiz Marques
18/06/2011

Bibliografia
1995 – P. Pistellato, in M. Masau Dan, G. Pavanello, Arte
d´Europa tra due secoli: 1895-1914. Trieste, Venezia e la
Biennale. Catálogo da exposição, Trieste, Museo Revoltella,
p. 210

Artista

DE MARIA, Mario

Data

1898/ 1909

Local

Veneza, Galleria Intern. d´Arte Moderna Ca´ Pesaro

Medidas

77 x 144 cm

Técnica

Têmpera sobre tela

Suporte

Pintura

Tema

Natureza Paisagem e Arcádia

Período

50 - SÉCULO XIX

Index Iconografico

432 - Sarcófagos e outros relevos funerários; 1104Est -
Representações das Estações; 1104Ver - O Verão; 1104Crep - O
Crepúsculo; 1602 - Arcádia: temas pastoris, campestres e
idílicos

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *