Koré Phrasikleia

Registro inventarial: inv. 4889

Contrariamente à grande maioria das korai encontradas
entre 1886 e 1889 em uma fenda ou favissa nas
encostas da Acrópole, em geral estátuas votivas, esta
koré é uma estátua funerária.

Escavada em 1972 em excepcional estado de conservação no
cemitério de Myrrhinous (Merenda, Ática), ela é a estátua
correspondente a uma base, descoberta já em 1730, que traz
inscrito o seguinte epigrama:

“Túmulo de Phrasikleia. Para sempre, serei chamada koré,
tendo os deuses me atribuído este nome em lugar do
casamento”.

O nome Phrasikleia significa “a que atrai por seu renome”.

No alto da base à esquerda, lê-se o nome do escultor:
“Arístion de Paros me fez”

Arístion de Paros, ativo em Atenas, é possivelmente também o
autor do kouros* funerário encontrado com esta
estátua e conservado no mesmo museu (inv. 4890).

Foi cogitado que a estátua funerária de Arístion de Paros,
um escultor que alcançou grande prestígio na Atenas de
Pisístrato, possa ser reconhecida na estela, sempre
conservada no Museu de Atenas (inv. 29), encontrada em 1839
em Velanideza, nas vizinhanças de Atenas, representando um
hoplita (soldado da infantaria ateniense) de nome Arístion.

Veja-se: http://www.mare.art.br/detalhe.asp?idobra=3321

Phrasikleia é a última descoberta e em absoluto uma das mais
belas korai arcaicas que a fortuna legou ao mundo
pós-grego, essas figuras de raparigas de uma frontalidade
franca que fazem jus a seus nomes philommeides
(amando os sorrisos) e kalliplokamos (de belas
tranças).

Ela apresenta-se vestida com um chiton preso à
cintura, (originalmente) vermelho e delicadamente decorado
com rosetas e suásticas, além de faixas com motivos
geométricos que rodeiam a gola, descem pelas mangas e,
frontalmente, da gola aos pés, calçados com sandálias.

Um alto diadema de flores de lótus coroa seus longos cabelos
ondulados, que descem pelo colo em três tranças, sendo
presos atrás por uma fita. Paramentam-na brincos, braceletes
e um colar de joias. Ela se faz representar segurando
graciosamente sua veste com a mão direita e ostentando um
botão de uma flor de lótus com a mão esquerda sobre o peito,
metáfora de si própria.

Luiz Marques
01/01/2012

Bibliografia:
1996 – L. Bruit-Zaidman, “Le temps des jeunes filles dans la
cité grecque : Nausicaa, Phrasikleia, Timareta et les
autres». Clio, Histoire, Femmes et Société, 4
http://clio.revues.org/index431.html
2002 – N. Kaltsas, Sculpture in the National Archaelogical
Museum, Athens. Los Angeles: The J. Paul Getty Museum, p.
48.

Artista

Arístion de Paros

Data

-550/ 540 cm

Local

Atenas, Museu Arqueológico Nacional

Medidas

179 cm (com a base 211,5 cm)

Técnica

Mármore de Paros

Suporte

Escultura

Tema

Mitologia, História e Topografia Antigas

Período

ARTE GRECO-ROMANA

Index Iconografico

133 - Korai; 430 - Iconografia funerária antiga

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *