Lorenzo de´ Medici e Michelangelo entre os artistas no Jardim de San Marco

“O antigo jardim de San Marco, em Florença encontrava-se nas adjacências da Piazza San Marco, ao final da via Larga, e era contíguo ao monastério homônimo, conforme testemunham, além de Giorgio Vasari, Ascanio Condivi e Benedetto Varchi [1564:21 22], além da famosa representação planimétrica e pictórica de Florença publicada em 1584 por Stefano Bonsignori.

O jardim de San Marco cenário abrigava as coleções de esculturas antigas dos Medici e, sobretudo, de Lorenzo il Magnifico (1449-1492). Ele é evocado tardiamente, e com uma forte dose de idealização, na tapeçaria de Benedetto Squilli de 1571, segundo um cartão de Giovanni Stradano de 1570, hoje em Pisa, Museo Nazionale di Palazzo Reale, parte de um ciclo de sete tapeçarias dedicado às Histórias de Lorenzo il Magnifico.

Ele o é também neste afresco de Ottavio Vannini (1585-1644) de 1639 no Palácio Pitti, mencionado por Filippo Baldinucci [1681/1846:IV,442].

Na Vida de Michelangelo (1550 e 1568), Giorgio Vasari escreve a respeito desse jardim:

“”Naquele tempo, o Magnífico Lorenzo de´ Medici em seu jardim na praça San Marco mantinha Bertoldo escultor, não tanto como guardião das numerosas e belas antigualhas que reunira ali a grande custo, quanto porque, desejando criar uma escola de pintores e escultores excelentes, queria que tivessem por guia e chefe Bertoldo, discípulo de Donatello; e embora sua velhice o impedisse de trabalhar, era, porém, mestre de muita prática e muito reputado, não apenas por ter fundido os púlpitos de Donatello, seu mestre, mas por ter fundido muitos outros bronzes de batalhas e de algumas outras pequenas coisas, ofício no qual não se encontrava então, em Florença, quem o superasse””.

“”Lastimando assim Lorenzo, cujo amor à pintura e à escultura era grandíssimo, que em seus dias não houvesse escultores tão celebrados e nobres quanto os pintores, decidiu, como disse, fazer uma escola. E pediu a Domenico Ghirlandaio, se em seu ateliê tivesse jovens com tal inclinação, que os enviasse ao jardim, onde desejava exercitá-los e educá-los em uma maneira que honrasse a si próprio, a ele e à cidade sua””.

“”Deu-lhe Domenico ótimos jovens, entre os quais Michelangelo e Francesco Granacci. E uma vez em que perambulavam pelo jardim, depararam com Torrigiano, jovem da família dos Torrigiani, que copiava em argila certas esculturas dadas por Bertoldo. Michelangelo fez logo algumas por emulação, o que suscitou em Lorenzo grande expectativa, diante de tão belo espírito””.

“”Encorajado pelos resultados, copiou alguns dias depois em mármore uma cabeça antiga de um fauno, velho e rugoso, de nariz quebrado e boca ridente. Sem ter jamais tocado mármore ou buris, conseguiu imitá-la tão bem, que deixou Lorenzo assombrado. E como, sem respeitar o modelo antigo, houvesse por sua fantasia trabalhado a boca com o buril, acrescentando-lhe a língua e pondo-lhe à mostra os dentes, Lorenzo, brincalhão, disse lhe: “”Mas tu deverias saber que os velhos jamais têm todos os dentes, faltando-lhes sempre algum””.

“”Pareceu a Michelangelo, em sua simplicidade, que aquele Senhor, que ele temia e amava, dizia-lhe a verdade, e mal Lorenzo partira, que já rompia um dente àquela boca e trabalhava com o buril a gengiva, como se tivesse caído””.

“”Esperou ansioso o retorno do Magnífico, que, admirado com a simplicidade e presteza de Michelangelo, riu-se muito, contando o feito aos amigos; e tendo se proposto a ajudar e favorecer Michelangelo, mandou chamar Lodovico, seu pai, e pediu-lhe Michelangelo, dizendo que o queria ter como um de seus filhos, o que lhe foi prazeirosamente concedido””.

Representando justamente esta passagem da Vida vasariana de Michelangelo, o afresco de Vannini completa a decoração do Salone degli Argenti, deixada inacabada por Giovanni da San Giovanni.

Na Vita de Torrigiano, Vasari fornece uma rápida descrição do jardim, do casino e de suas coleções, cujo inventário não se conservou. Era ele:

“”pleno de antigualhas e boas esculturas, sendo a loggia, as alamedas e todos os interiores, adornados de boas figuras antigas de mármore e de pinturas e outras coisas feitas pelas mãos dos melhores mestres de todos os tempos, da Itália e do exterior. Coisas que, além de ornarem magnificamente aquele jardim, eram como uma escola e academia para os jovens pintores e escultores e para todos os que se dedicavam ao desenho””.

Luiz Marques
07/01/2011″

Artista

VANNINI, Ottavio

Data

1639

Local

Florença, Galleria Palatina, Palazzo Pitti

Medidas

desconhecidas

Técnica

Afresco

Suporte

Pintura

Tema

Alegorias e Temas Artísticos Morais e Psicológicos

Período

SÉCULO XVII

Index Iconografico

1112 - O Mundo da Obra, do Museu e do Colecionador; 1112Muse - Museus, Quadrerie, Galerias, Salões, Jardins; 1700C - Retratos Pintura; 1700C3 - Artistas e Autoretratos

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *