O Bom Samaritano

“Trata-se da primeira representação visual conservada da
Parábola do Bom Samaritano, a qual comparece apenas em Lucas
(10,29-37). Ela intervém no diálogo entre Jesus e um legista
que lhe perguntara o que devia fazer para “”herdar a vida
eterna””. Jesus remete-o à Lei, que determina: “”Amarás o
Senhor teu Deus (…) e a teu próximo como a ti mesmo””. Para
se justificar de ter perguntado algo cuja resposta era
sabida por todos os judeus, o legista acrescenta: “”E quem é
o meu próximo?””. A resposta será justamente essa parábola:

“”Um homem descia de Jerusalém a Jericó, e caiu no meio de
assaltantes que o despojam e o espancam, deixando-o
semimorto. Casualmente, descia por este caminho um
sacerdote; viu-o e passou adiante. Igualmente um levita,
atravessando este lugar, viu-o, e prosseguiu. Certo
samaritano em viagem, porém, chegou junto dele, viu-o e
moveu-se de compaixão. Aproximou-se, cuidou de suas chagas,
derramando óleo e vinho, depois colocou-o em seu próprio
animal, conduziu-o à hospedaria e dispensou-lhe cuidados.
No dia seguinte, tirou dois denários e deu-os ao hospedeiro,
dizendo: ´Cuida dele, e o que gastares a mais, em meu
regresso te pagarei´.””

A Samária fora despovoada de judeus pelos assírios e
repovoada com colônias de povos não-judeus igualmente
dominados. Os judeus dos tempos de Jesus consideravam os
samaritanos como incréus, de onde o caráter paradoxal do
comportamento do Bom Samaritano e a crítica à não
observância da Lei de parte dos judeus ortodoxos (o
sacerdote e o levita) que a parábola encerra.

Na iluminura em questão, vê-se da esquerda para a direita, a
cidade de Jerusalém, o próprio Cristo representado na
figura do Bom Samaritano, a cuidar da vítima, auxiliado por
um anjo e, enfim, o Cristo que a leva em seu animal até a
hospedagem e dá os dois denários ao hospedeiro.

No registro inferior, os quatro Evangelistas aclamam a cena.

A iluminura orna o Codex Purpureus Rossanensis, um
Evangeliário sírio de 188 fólios, ricamente ilustrado e
datado por suas características paleográficas de meados do
século VI, quando da reconquista da península pelas tropas
de Bizâncio.

Notado pelo jornalista napolitano, Cesare Malpica, em 1845,
na biblioteca da catedral Santa Maria Achiropita de Rossano,
o manuscrito foi publicado, já em seu atual estado
fragmentário, em 1879. Trata-se do mais antigo Evangeliário
ilustrado de que se tem notícia. Ele pertence ao grupo dos
Unciais Purpúreos, dada a cor avermelhada do pergaminho.

As sofisticadas ilustrações desse manuscrito, à altura do
refinamento da cultura visual bizantina do período pré-
iconoclasta, obtêm grande eficiência narrativa com notável
economia de meios, sem descartar por completo, em seu
caráter predominantemente abstrato, o substrato do
naturalismo antigo.

Elas não pontuam o texto à maneira de um comentário, como
será prática usual na tradição manuscrita sucessiva, mas se
agrupam no início do volume, seguindo a sequência de
leituras recitadas na igreja durante a Quaresma, isto é,
entre a quarta-feira de cinzas e a Páscoa.

Segundo Loerke (1961), o modelo imediato destas ilustrações
poderia ser um perdido ciclo de afrescos ou mosaicos
monumentais na domus Pilati em Jerusalém, hipótese
que Weitzmann (1978) acolhe com interesse, confirmando tal
derivação ao menos para as duas ilustrações do “”Cristo
diante de Pilates””, já que seu formato obedece ao que seria
o de uma pintura mural em uma abside.

Luiz Marques
27/11/2011

Bibliografia:
1950 – G. Guerrieri, “”Il codice Purpureo di Rossano
Calabro””. Napoli. Rivista Municipale (extrato).
1978 – K. Weitsmann (ed.), Age of Spirituality. Late Antique
and Early Christian Art, Third to Seventh Century. Catálogo
da exposição, New York, The Metropolitan Museum of Art.
Princeton Univ. Press, p. 492

Artista

Anônimo

Data

550c.

Local

Rossano (Calábria), Museo Diocesano

Medidas

307 x 260 mm (o fólio)

Técnica

Iluminura sobre pergaminho

Suporte

Pintura

Tema

Bíblia e Cristianismo

Período

ARTE PÁLEO-CRISTÃ

Index Iconografico

606D - Parábolas; 606D2 - O Bom Samaritano

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *