O Imperador Heráclio leva a cruz de volta a Jerusalém

No mesmo ano de 1594, Ludovico Cigoli (1559-1613) pinta duas composições quase especulares desta obra, conservando-se a segunda no Convento di Santa Croce de Empoli. Não há consenso sobre qual delas é a primeira versão.

A obra representa o imperador de Bizâncio, Heráclio I (610-641), levando a cruz de volta para Jerusalém, após vencer o imperador persa Cosróes II que, em 614, havia invadido Jerusalém e se apoderado de diversas relíquias cristãs, dentre as quais a da cruz.

Com recursos em parte provenientes da Igreja de Constantinopla, colocados à sua disposição pelo Patriarca Sérgio, Heráclio inicia em 622 uma ofensiva militar que o levará à capital da Pérsia em 628, ano da morte de Cosróes II. Recebido em triunfo em Constantinopla em 629, Heráclio empreende em seguida uma viagem à Jerusalém no fito de devolver a relíquia da cruz.

Cigoli representa a relíquia como uma verdadeira cruz e empresta ao ato da devolução um sentido penitencial. Acompanhado por um séquito numeroso, o Imperador despoja-se de sua coroa, levada por um pajem à esquerda, traja vestes humílimas, alusivas às Ordens mendicantes, e caminha descalço sob o peso da cruz. O anjo, com a cruz de dupla haste, e o Patriarca Sérgio exortam-no a prosseguir a viagem e indicam-lhe o caminho de Jerusalém. Ao fundo à esquerda, vê-se Constantinopla, representada como uma fortaleza no alto de uma elevação.

A composição em frisa, com uma centralidade perfeitamente assegurada, é de uma clareza palmar. Ela nada mais conserva do intrincado jogo de escorços em diagonal, típico da “maniera”, e seu cromatismo, além de fazer uso moderado dos vermelhos e dos cangianti, é funcional à narração em “monódia”.

A obra, assinada e datada 1594, foi pintada para a corporação florentina da seda – a Confraternità della Croce dei tessitori e tornitori di seta – e destinava-se a substituir um quadro de Rosselli, substituição provavelmente ocasionada pelos restauros empreendidos por Giambologna na igreja dos dominicanos de Florença.

Luiz Marques
09/05/2011

Bibliografia:
1986 – F. Faranda, Ludovico Cardi, detto il Cigoli. Roma: De Luca Ed, p. 123.
1991 – P. Lemerle, História de Bizâncio. São Paulo: Martins Fontes, p. 60

Artista

CIGOLI, Ludovico Cardi, dito

Data

1594

Local

Florença, San Marco

Medidas

350 x 267 cm

Técnica

Óleo sobre madeira

Suporte

Pintura

Tema

História Medieval Moderna e Contemporânea

Período

36 - SÉCULO XVI

Index Iconografico

854B - Bizâncio após Justiniano; 854BHera - Heráclio I (610-641)

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *