Objetos indígenas

A gravura integra um conjunto de trabalhos realizados pelo Instituto Artístico em parceria com a Seção Etnográfica da Comissão Científica do Império (1859-1861). A Comissão teve a missão de documentar e estudar o modo de vida das tribos indígenas no Ceará. Após verificar que no local só restavam alguns descendentes de índios, o chefe da Seção, o poeta Gonçalves Dias, viajou ao Amazonas à procura de indígenas que tivessem mantido suas tradições. Como nota Kaori Kodama:

“De sua ida à região amazônica, restaram diversos objetos etnográficos dos Tuxaua, dos Arara, dos Tukano, dos Munduruku, dos Jahua (Yagua). Enviados para o Rio de Janeiro para a Exposição Nacional ocorrida em 1861, esses objetos posteriormente fizeram parte da Exposição Antropológica, em 1882, e foram incorporados às coleções do Museu Nacional…”

A litografia mostra objetos da etnia Tukano: carcás taboca (espécie de canudo de taquara) com recipiente de cabaça para paina e setas envenenadas acondicionadas na esteira. A tipografia do Instituto Artístico Fleiuss Irmãos e Linde desenhou e litografou centenas desses artefatos indígenas coletados na região do Rio Negro, na Amazônia, obras de grande qualidade técnica. As gravuras, divulgadas recentemente, constituem mais um exemplo da associação entre arte e ilustração científica no século XIX. A expedição ao Ceará contou também com registros fotográficos que provavelmente seriam litografados e divulgados na Exposição Nacional de 1861.

Henrique Fleiuss chegou ao Brasil em 1859 e fundou, no ano seguinte, juntamente com o irmão Carlos Fleiuss, litógrafo, e com o pintor Carlos Linde, o Instituto Artístico, que se tornou um dos mais importantes centros de ensino e de produção de artes gráficas no país.

Maria Antonia Couto da Silva
10/02/2011

Bibliografia:
1949 – L. Castro Faria, “As exposições de antropologia e arqueologia do museu nacional”. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Ministério da Educação e Saúde, Museu Nacional.
2009 – Comissão Científica do Império: 1859-1861. Org.: Lorelai Kury. Rio de Janeiro: Andrea Jacobsson.
2010 – K. Kodama, “Os estudos etnográficos no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1840-1860): história, viagens e questão indígena”. Boletim do Museu Paranaense Emílio Goeldi, Belém, 5, 2, pp. 253-272, maio-agosto, p. 265. Disponível em: .
Acesso em: 28/11/2010.

Artista

Instituto Artístico Fleiuss Irmãos e Linde

Data

1861c.

Local

Rio de Janeiro, Biblioteca Nacional

Medidas

desconhecidas

Técnica

Litografia

Suporte

Pintura

Tema

Ciência Ilustração científica e Etnografia

Período

O SÉCULO XIX NA AMÉRICA HISPÂNICA E NO BRASIL (A PARTIR DE 1822)

Index Iconografico

1210 - Representações Etnográficas, 1210Ind - O Indígena americano e os indigenismos

Autor

Maria Antonia Couto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *