Parábola do Filho Pródigo

Chamada também “Concerto noturno”, a presente obra do pintor
de Nancy, Jean Le Clerc (1587/8 – 1633), pertence ao gênero
de pinturas de taberna de cunho moralizante que floresce na
esteira do caravaggismo. Mais especificamente, ela
representa, segundo Philip Conisbee, uma cena da Parábola do
Filho Pródigo (Lucas, 15, 11-32).

O estudioso inglês acolhe a proposta de Jacques Thuillier
que bem sublinhou como a composição de Le Clerc anuncia a
famosa gravura de mesmo tema de Jacques Callot, intitulada
Le Brelan (1628c.), também ela de fundo musical.

Observe-se que a música é um coadjuvante obrigatório na
dissolução erótica dos sentidos: pour l´enchanter les
Serènes l´attendent
, lê-se em uma versão seiscentista
desta parábola mencionada por Réau [1957:334]. A música, com
efeito, jamais deixa de comparecer em outras versões
contemporâneas do tema do Filho Pródigo, tais como a de
Johann Liss, de Honthorst e outros.

Na presente obra, todavia, a música assume uma presença e
uma função decerto mais complexas, a ponto de explicar
facilmente seu título mais genérico de “Concerto noturno”. A
presença de quatro partituras musicais, duas para os
cantores e duas para os instrumentistas permite supor a
execução de uma peça de certa complexidade polifônica.

É incerto se a figura do velho à direita exibe outra
partitura amarrotada ou apenas um lenço, em um gesto de
amaldiçoamento, que confere à cena toda sua ressonância
moral.

A obra pode ser datada de 1621 ou 1622 e é conhecida em duas
outras versões autógrafas, conservadas em Paris e em Veneza.
Conhecem-se, além disso, duas gravuras executadas, a mais
tardia por volta de 1640, talvez por Georges de la Tour, a
partir desta versão de Munique (Paris, Bibliothèque
Nationale e Viena, Albertina).

Luiz Marques
15/11/2011

Bibliografia:
1035 – R. Longhi, “I pittori della realtà in Francia ovvero
i caravaggeschi francesi del ´600″. Italia Letteraria, 10,
republicado em Paragone, XXIII, 269, pp. 3-18
1959 – B. Nicolson, Ch. Wright, Georges de La Tour, Londres,
fig. 88.
1979 – B. Nicolson, L. Vertova Caravaggism in Europe. 3
vol., Turim, 1989, p. 137
1992 – P. Choné, L´atelier des nuits. Histoire et
signification du noturne dans l´art de l´Occident. Nancy,
cat. 362, p. 289.
1997 – Ph. Conisbee (et alia), Georges de La Tour and his
world. Catálogo da exposição, Washington, pp. 49-51, cat.
42, p. 283)
1997 – G. Feigenbaul, Gamblers, Cheats and Fortune-Tellers.
In Georges de La Tour and his world. Catálogo da exposição,
Washington, pp. 163-165.
2000 – L. Marques, in S. Ferino-Pagden, L. Marques,
Dipingere la Musica. Strumenti in posa nell´arte del Cinque
e Seicento. Catálogo da exposição, Cremona, p. 202.

Artista

LE CLERC, Jean

Data

1621/ 1622

Local

Munique, Alte Pinakothek

Medidas

137 x 170 cm

Técnica

Óleo sobre tela

Suporte

Pintura

Tema

Bíblia e Cristianismo

Período

SÉCULO XVII

Index Iconografico

606D - Parábolas; 606D4 - O Filho Pródigo partida e vida
dissoluta; 1163 - O Músico e a cena musical; 1164 - O
Concerto; 1476 - A Taberna

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *