Retrato de Giambologna

No final de 1575, Federico Zuccari (1542/3-1609) aceitava
com incontido júbilo dar prosseguimento aos afrescos* da
cúpula da catedral florentina, Santa Maria del Fiore. Com
pouco mais de trinta anos, o artista recebia o prestigioso
encargo de substituir Giorgio Vasari na direção dos
trabalhos de decoração da grande obra arquitetônica de
Filippo Brunelleschi, construção maior da orgulhosa
Florença.

O presente retrato do escultor Giambologna (1529-1608) está
relacionado a essa comissão. Na pintura afrescada na cúpula,
cujo tema é o Juízo Final, Giambologna foi representado
próximo de Zuccari e de outros amigos do vaidoso artífice da
obra – todos, naturalmente, eleitos pelo Cristo (ver a
imagem correspondente).

Ao transpor o desenho para a pintura, Zuccari foi bastante
fiel à atitude geral do retratado, preservando a posição dos
braços e da cabeça, a qual está voltada para a direita,
justamente na direção do retrato do próprio Zuccari.

Contudo, notável alteração, no afresco desapareceu o modelo
que no desenho o escultor tem entre as mãos. Em seu lugar,
Zuccari preferiu representar uma marreta e um esquadro,
talvez com a intenção de não deixar dúvida de que se tratava
de um escultor.

Efetivamente, aqueles não eram os atributos tradicionais da
escultura – sobretudo o esquadro que, juntamente com o
compasso, costumava ser utilizado para qualificar a
arquitetura. Ocorre, no entanto, que embora aquele modelo
pudesse ser entendido como o atributo de um escultor,
todavia ele também poderia sinalizar que o retrato
representava um pintor ou mesmo um colecionador – lembre-se
que Giambologna está logo atrás de Vincenzio Borghini,
próximo de Vasari e de Taddeo Zuccari.

Some-se ainda a essa possibilidade outra alternativa, isto
é, que ao decidir representar o esquadro junto da marreta
Zuccari talvez tivesse a intenção de demonstrar a
preeminência do desenho sobre a dura arte da escultura –
tema caríssimo ao artista como bem demonstrariam seus
trabalhos teóricos. Enfim, o fato é que Zuccari optou por
eliminar o modelo, limitando-se a adaptar o gesto das mãos
para que sustentassem aquelas duas ferramentas.

É preciso ainda notar que o modelo que Giambologna
zelosamente segura não é de sua autoria, mas sim de
Michelangelo. Trata-se do célebre modelo para “Sansão e os
filisteus” que o divino artista teria feito como contraposto
para o David da

Artista

ZUCCARI, Federico

Data

1576/ 1577

Local

Edimburgo, National Gallery of Scotland

Medidas

261 x 188 mm

Técnica

sanguina e lápis preto

Suporte

Pintura

Tema

A Figura Humana Retratos e Caricaturas

Período

36 - SÉCULO XVI

Index Iconografico

1700C - Retratos Pintura; 1700C3 - Artistas e Auto-retratos;
590 - Juízo Final

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *