Retrato de Michelangelo

“Registro inventarial: inv. 65.

Acerca deste retrato, Vasari escreve na Vida do artista:

“”De Michelangelo não há mais retratos que duas pinturas, uma de Bugiardini e outra de Jacopo del Conte*, além de um bronze em relevo feito por Daniele Ricciarelli e esta medalha do cavaleiro Leone [Leoni], da qual se fizeram muitas cópias, e muitas delas vi em vários lugares da Itália e fora dela””.

O retrato foi encomendado a Giuliano Bugiardini por Ottaviano de´ Medici (1482-1546) presumivelmente em 1522, quando o artista tinha 47 anos.

São conhecidas cinco versões da obra, três das quais foram alternativamente reconhecidas como o original. Milanesi (Opere del Vasari, VI, p. 206) via-o na versão do Louvre, inv. 874, madeira, 49 x 36,4 cm. Para Ragionieri [1993:26] e [2008:106], o retrato do Louvre é “”com toda evidência uma cópia””. Redig de Campos [1965], Bréjon de Lavergnée, Thiébaut [1981:159] e Pagnotta [1987:56, 210] tendem a reconhecer o original na versão outrora na coleção Bossi de Gênova, proveniente da coleção Dufour Berte de Florença.

De seu lado, Ragionieri (loc. cit.) e Andres, in Altringer et alia [1998], entre outros, dão primazia a este exemplar da Casa Buonarroti. Previtali, Ceschi, ed. Vita di Michelangelo, 1967, VII, p. 217, afirmam que o original é perdido.

A amizade entre Bugiardini e Michelangelo, nascidos ambos em 1475 remonta aos tempos do comum aprendizado no ateliê de Ghirlandaio e no jardim de San Marco.

A anedota vasariana desse retrato, relatada na Vida de Bugiardini, além de saborosa, revela a benevolência de Michelangelo em relação a seus amigos artistas:

Avendo poi segretamente il detto messer Ottaviano pregato Giuliano che gli ritraesse Michelagnolo Buonarruoti, egli, messovi mano, poi che ebbe tenuto due ore fermo Michelagnolo, che si pigliava piacere de´ ragionamenti di colui, gli disse Giuliano: ´Michelagnolo, se volete vedervi, state su, che già ho fermo l´aria del viso´. Michelagnolo rizzatosi e veduto il ritratto, disse ridendo a Giuliano: ´Che diavolo avete voi fatto? Voi mi avete dipinto con uno degl´occhi in una tempia: avertitevi un poco´. Ciò udito, poi che fu alquanto stato sopra di sé Giuliano, et ebbe molte volte guardato il ritratto et il viso, rispose sul saldo: ´A me non pare; ma ponetevi a sedere et io vedrò un poco meglio dal vivo s´egli è così´. Il Buonarruoto, che conosceva onde veniva il difetto et il poco giudizio del Bugiardino, si rimisse sùbito a sedere ghignando; e Giuliano riguardò molte volte ora Michelagnolo et ora il quadro, e poi levato finalmente in piede, disse: ´A me pare che la cosa stia sì come io l´ho disegnata e che il vivo mi mostri così´. ´Questo è dunque, – soggiunse il Buonarruoto – difetto di natura; seguitate, e non perdonate al pennello né all´arte´.

“”Tendo depois secretamente o dito messer Ottaviano pedido a Giuliano que lhe retratasse Michelangelo Buonarruoti, ele, começou a executá-lo, tão logo conseguiu manter Michelangelo parado por duas horas, o qual tinha prazer em ouvir sua conversa. Giuliano então disse-lhe: ´Michelangelo, se quiserdes vos ver, levantai-vos, que já fixei a expressão do rosto´. Michelangelo levantou-se e ao ver o retrato, disse-lhe rindo: ´Que diabo fizestes? Haveis-me pintado com um dos olhos sobre uma têmpora: observai um pouco´. Ao ouvir isso, e depois de se ensimesmar um pouco, Giuliano olhou várias vezes o retrato e o rosto e respondeu firmemente: ´A mim não parece; mas sentai de novo e eu verificarei se é assim mesmo´. Buonarruoti, que percebia onde nascia o defeito e conhecia o fraco juízo de Bugiardini, sentou-se, com sorriso brincalhão; e Giuliano examinou diversas vezes ora Michelangelo, ora o quadro, e levantando enfim disse: ´A mim parece que a coisa seja como eu a desenhei e que o vivo me mostre isso´. ´Então é defeito de natureza´, acrescentou Buonarruoti; continuai e não perdoeis nem o pincel nem a arte””.

Ainda segundo Vasari, a interação de Bugiardini com Michelangelo revive no grande retábulo para S. Maria Novella com o Martírio de Santa Catarina* (1522-1535), completado por Bugiardini a partir de uma intervenção de Michelangelo a carvão feita diretamente sobre o suporte em madeira da pintura.

Luiz Marques
18/11/2010

Bibliografia
1965 – D. Redig de Campos, “”Das Porträt Michelangelos mit dem Turban von Giuliano Bugiardini””. Festschrift für Hubert von Einem. Berlim.
2008 – P. Ragionieri, Il volto di Michelangelo. Cat. da exposição, Florença, Casa Buonarroti, Florença: Mandragora, p. 106.”

Artista

BUIGIARDINI, Giuliano

Data

1522c.

Local

Florença, Casa Buonarroti

Medidas

58 x 45,5 cm

Técnica

Óleo sobre tela

Suporte

Pintura

Tema

A Figura Humana Retratos e Caricaturas

Período

36 - SÉCULO XVI

Index Iconografico

1700C - Retratos Pintura; 1700C3 - Artistas e Auto-retratos

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *