Retrato de rapariga (dito de Marietta Strozzi)

“Registro inventarial: inv. 77

A obra foi adquirida em 1842 em Florença para o Museu de
Berlim por Gustav Friedrick Waagen, historiador da arte
pioneiro e sobrinho do poeta Ludwig Tieck.

Wilhelm Bode, o grande diretor dos Museus de Berlim no
século XIX, num espírito romântico, foi o primeiro a
associar este busto com o de Marietta di Lorenzo di Palla
Strozzi, filha do poderoso banqueiro Lorenzo Strozzi e de
Alessandra de´ Bardi, realizado por Desiderio da Settignano,
segundo o testemunho conjunto de três fontes do século XVI:
o texto de Antonio Billi, o Anonimo Magliabecchiano e
Giorgio Vasari, que já em 1550, na Vita di Desiderio da
Settignano
, escreve:

Egli [Desiderio] similmente di marmo ritrasse di naturale
la testa della Marietta degli Strozzi, la quale essendo
bellissima  gli riuscì molto eccellente

“”Ele [Desiderio] da mesma forma retratou em mármore a cabeça
de Marietta degli Strozzi, que, sendo belíssima, saiu-lhe
excelente””.

Nada assegura que este busto seja de fato o de Marietta,
que, nascida em 1448, teria então 12 anos, mas sua
excepcional qualidade e o fascínio que emana desse
semblante induziram naturalmente a identificá-lo ao da jovem
Marietta, de legendária beleza.

Em fins de abril de 1459, visita Florença o jovem Galeazzo
Maria Sforza, então com 15 anos e hóspede dos Medici no
Palazzo di Via Larga. Para esta ocasião, organizam-se
diversas festividades, entre as quais um baile no Mercato
Nuovo, de que o jovem Galeazzo manteve registro em uma carta
de 30 de abril. Nela, refere-se a um baile com mais de 150
jovens mulheres, entre casadas e solteiras, una delle piu
belle feste de done ch´io credo che se vedesse may
(uma
das mais belas festas de mulheres que acredito tenha
ocorrido).

Galeazzo Maria fora antes entretido por mulheres e raparigas
na Villa dos Medici em Careggi, que dançam para ele, no que
ele chama de una festagliola de done (uma festa
feminina). Dela participam, Lucrezia Tornabuoni, esposa de
Piero de´ Medici, sua filha, provavelmente Bianca, então com
apenas 14 anos, a tia desta, Ginevra di Niccolò Alessandri,
esposa de Giovanni di Cosimo de´ Medici, Laudomia di Iacopo
Acciaiuoli, esposa de Pierfrancesco di Lorenzo de´ Medici e
una giovane di Strozzi quale, se non è la piu bella di
questa cita, almancho è avanzata da puoche
(uma jovem
dos Strozzi que, se não é a mais bela desta cidade, ao menos
é por poucas superada).

Tratava-se de Marietta Strozzi, então com 10 ou 11 anos, e
que seria, cinco anos depois, mais uma vez elogiada por sua
beleza pelo cronista Marco Parenti. Mais tarde, Marietta
deveria casar-se com o conde Teofilo Calcagnini e
estabelecer-se em Ferrara.

O encanto da obra e o frescor da jovem retratada permanecem
solidários e intocados, e em 1959 a escritora e historiadora
Elizabeth Polk Benson dedicou-lhe um delicado poema:

This marble and I stare at each other, her breathing
seems to stir the air as much as mine. We gaze
she with white eyeless eyes, irisless,
I not quite comprehending what I see.
For it is not sight that moves me;
it is the way the air rocks
in the space between her face and mine.

John Pope-Hennessy atribui a obra a Antonio Rossellino
baseando-se nas suas semelhanças com esculturas dos anjos da
Tumba do Cardeal de Portugal, na igreja de San Miniato al
Monte, mas a atribuição é recusada por Marc Bormand.

Um elemento importante da percepção deste como de diversos
outros bustos femininos do Quatrocentos florentino é o fato
de ser provavelmente concebido para ornar uma sobreporta e
portanto para uma visão ligeiramente de baixo para cima,
ângulo que preserva as relações de proporção entre o busto,
o pescoço e a cabeça. O que se ganha, entretanto, em
proporção, perde-se na apreciação dos deliciosos ornatos de
pérolas e de fitas do penteado da jovem “”Marietta””.

Luiz Marques
07/02/2012

Bibliografia:
1889 – W. Bode, «Desiderio da Settignano und Francesco
Laurana: Die wahre Büste der Marietta Strozzi», Jahrbuch der
Königlich Preussischen Kunstsammlungen, 10, 1, pp. 28-33.
1959 – E. Polk Benson, «Marietta Strozzi». College Art
Journal, 19, 1, p. 76
2001 – J. Bryce, “”Performing for Strangers: Women, Dance,
and Music in Quattrocento Florence””. Renaissance Quarterly,
54, 4, pp. 1074-1107.
2007 – M. Bormand, “”I Busti””. In, M. Bormand, B. Paolozzi
Strozzi, N. Penny, Desiderio da Settignano. La scoperta
della grazia nella scultura del Rinascimento. Catálogo da
exposição. Paris, Louvre, pp. 128-131.
2007 – M. Bormand, “”Giovane Donna (detta Marietta
Strozzi)i””. In, M. Bormand, B. Paolozzi Strozzi, N. Penny,
Desiderio da Settignano. La scoperta della grazia nella
scultura del Rinascimento. Catálogo da exposição. Paris,
Louvre, pp. 150-153.
2009 – A. V. Coonin, “”The Most Elusive Woman in Renaissance
Art: A Portrait of Marietta Strozzi””. Artibus et historiae,
54, 30, pp. 41-64.”

Artista

Desiderio da Settignano

Data

1460c.

Local

Berlim, Staatliche Museen

Medidas

52,5 x 47,8 x 23,8 cm

Técnica

Mármore

Suporte

Escultura

Tema

A Figura Humana Retratos e Caricaturas

Período

SÉCULO XV

Index Iconografico

1700B - Retratos Escultura; 1700B1 - Retratos contemporâneos

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *