São Mateus. Detalhe

(continuação do texto que acompanha a imagem principal)

Ainda sobre a datação da obra em 1506, pode-se citar outro documento que corrobora a hipótese de que o artista está às voltas com a execução do São Mateus ainda em novembro de 1506.

Michelangelo estava em Roma em janeiro de 1506, como atesta uma carta de Francesco da Sangallo a Vincenzo Borghini, de 1566 (justamente a carta que certifica a presença do artista em Roma quando da descoberta do Laocoonte*), e uma carta ao pai, de 31 de janeiro de 1506; mas estava de volta a Florença em 17 ou 18 de abril de 1506, permanecendo em Florença por ao menos sete meses, sem dúvida até 27 de novembro de 1506, quando partiria para Volterra.

Portanto, o esboço do São Mateus poderia ser convenientemente datado dos meses deste interregno florentino, entre abril e novembro de 1506, cf. Wilde [1950/1978:47].

Barocchi (1962) sublinha a originalidade da observação de Vasari sobre a técnica do desbaste do mármore em planos paralelos, e a insere no tecido conceitual da tratadística quinhentista, no qual a escultura é compreendida como arte do levare, isto é, do “retirar”.

No centro da questão está o soneto de Michelangelo, Non ha l´ottimo artista alcun concetto. Mas esta definição da escultura como arte de levare encontra-se já em Leon Battista Alberti, em seu tratado Della Scultura:

“A escultura é uma arte que, retirando o supérfluo da matéria assujeitada, a reduz àquela forma de corpo que na idéia do artista se desenha”.

Uma quase paráfrase do célebre soneto de Michelangelo encontra-se no manuscrito do Journal de Voyage de Nicolas Audebert, redigido entre 1574 e 1578, que menciona uma anedota a respeito da Noite da Capela Medici. Respondendo a um amigo que lhe perguntara como fizera aquela escultura, o artista haveria respondido, jocosamente:

“Eu não a fiz, mas tinha um mármore no qual estava esta estátua que vedes e não tive outro trabalho que o de retirar o pouco que estava à volta e impedia que se a visse. Tomai de um mármore ou pedra qualquer, grande ou pequena; não há uma só que não contenha em si alguma efígie e estátua, mas é preciso bem saber reconhecê-la, a fim de não se desfazer da estátua, em vez de somente do que a está envolvendo e impedindo sua visão, pois há tanto perigo aqui em retirar demasiado quanto demasiado pouco. Para quem sabe, nada há de mais fácil. E assim mandou seu amigo buscar estátuas nos pedregulhos”.

Em 1568, ano da segunda edição da Vida vasariana de Michelange

Artista

Michelangelo Buonarroti

Data

1506

Local

Florença, Galleria dell'Accademia

Medidas

218 cm

Técnica

Mármore

Suporte

Escultura

Tema

Bíblia e Cristianismo

Período

36 - SÉCULO XVI

Index Iconografico

716 - Os Quatro Evangelistas; 716A - Mateus

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *