Saudades

O artista ituano José Ferraz de Almeida Júnior executa a
tela Saudade dispondo uma mulher anônima contra uma janela
aberta da qual nada se vê do mundo externo. A figura
enlutada segura o xale cobrindo a boca enquanto chora
olhando para um objeto que remete a uma “carte de visite”.

Nota-se que a cena ocorre dentro de um ambiente bastante
rústico, talvez rural, com paredes de tijolos e chão de
lajotas. No topo da parede à esquerda vê-se um chapéu de
palha diáfano que aponta para a mulher em seu choro, assim
como a tramela o faz. Além disso, observa-se uma canastra de
couro semiaberta, encimada por um possível álbum de
fotografias coberto por um xale branco.

A tela está assinada e datada na parte inferior esquerda
pelo artista, onde se lê “Almeida Jr. 1899”.

A pose da mulher não possui qualquer forma de hieratismo,
mas sim, de um abandono de si causado pela tristeza
caracterizada pelas lágrimas que escorrem em seu rosto. Em
sua orelha direita, observa-se um brinco negro em formato de
gota. Em sua mão esquerda traz uma aliança no dedo médio,
talvez herdada de algum falecido, que pode estar sendo
chorado na fotografia carregada pela mulher.

Partindo da observação de todos os elementos constitutivos
da cena, propõe-se que seja um luto por alguém que tenha
falecido ou partido sem volta.

Almeida Júnior compõe sua cena de gênero caipira para expô-
la nos salões e parcas exposições que ocorriam na São Paulo
“fin-de-siècle”, com o intuito de encantar o público
frequentador da exposição e vender a obra. Segundo o Setor
de Museologia da Pinacoteca do Estado que detém a
documentação da tela, nada consta em relação à encomenda.

Somente após a violenta morte de Almeida Júnior na cidade de
Piracicaba é que obra é vendida e posteriormente doada à
Pinacoteca do Estado de São Paulo por Leonor Mendes de
Barros.

No final do século XIX há um conjunto significativo de obras
relacionadas à vida no campo e à expressão de sentimentos da
população menos favorecida financeiramente. Dessa maneira,
artistas italianos como Vincenzo Gemito e artistas franceses
como Fernand Pélez se dedicam a pintar cenas que retratam a
vida pobre e simples com a aparente intenção de denunciar a
péssima situação social da população. De Gustave Courbet,
Almeida Júnior aprende o uso do negro cromático em uma cena
que não é de denúncia social como as de Courbet, mas de um
possível luto remetendo à tradição do Romantismo francês.

Porém, Almeida Júnior ainda dialoga com outras produções
mais antigas, como a holandesa do século XVII, de quem traz
o posicionamento da figura feminina dentro de um ambiente
fechado banhado pela luz que entra pela janela. Além disso,
ao colocar uma janela cujo exterior se revela abstrato,
Almeida Júnior faz com que o olhar do observador se
concentre completamente na tristeza da figura inserida em um
espaço ortogonal, caracterizando mais uma faceta
composicional do artista ituano.

A obra possui extensa fortuna crítica iniciada pelo escritor
Monteiro Lobato que faz um elogio de cunho Romântico à obra,
exaltando o sofrimento da mulher:

“Brotam lagrimas dos olhos, lagrimas da amante inconsolável.
É dor e é saudade”.

Entretanto, existem outros relatos ao longo do tempo que
colocam em questão se ela porta uma carta ou uma fotografia.
Trata-se evidentemente de uma fotografia, pois, observando-
se a parte traseira da mesma, percebe-se que há uma espécie
de carimbo com o nome do atelier responsável por sua
feitura, além de ser possível verificar a espessura da
“carte de visite”, iluminada por Almeida Júnior.

Karin Philippov
31/08/2015

Bibliografia:

MONTEIRO LOBATO, José Bento, “Almeida Júnior”. In: Revista
do Brasil. SP, volume IV janeiro – abril de 1917, pp.35-52.

LOURENÇO, Maria Cecília França, NASCIMENTO, Ana Paula.
Almeida Júnior: um criador de imaginários. Catálogo da
Exposição realizada na Pinacoteca do Estado de São Paulo de
25 de janeiro a 15 de abril de 2007. SP: Pinacoteca do
Estado de São Paulo, 2007.

Artista

ALMEIDA Jr., José Ferraz de

Data

1899

Local

São Paulo, Pinacoteca do Estado

Medidas

101 x 197 cm

Técnica

Óleo sobre tela

Suporte

Pintura

Tema

Vida Social e Gênero

Período

O SÉCULO XIX NA AMÉRICA HISPÂNICA E NO BRASIL (A PARTIR DE 1822)

Index Iconografico

1307 - A Carta e a correspondência

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *