Venus felix

Registro inventarial: PN 23; inv. 936

A estátua porta uma inscrição na base: Veneri Felici…
Sacrum/ Sallustia… Helpidus D.D.
, alusiva aos
doadores, Sallustia e Helpidus.

Exumada em momento e local incerto, talvez nos arredores de
S. Croce in Gerusalemme, e instalada no Cortile das estátuas
já em 1509, ao lado do Laocoonte e do Apolo do Belvedere, a
Venus felix cum alato Cupidine parvulo, tal como a
chama Albertini em 1510, foi objeto de admiração por parte
de viajantes e eruditos do século XVI, como Francesco
Albertini, Grossino, Andrea Fulvio e o Anônimo veneziano.
Este último descreve o grupo como composto de: figure
bellissime, quanto è possibile a imaginarsi
.

Esse duplo retrato mitológico foi reconhecido, ora como o de
Faustina Menor, esposa de Marco Aurélio e de um de seus
filhos, ora como o de Crispina, mulher de Cômodo, ora ainda,
como parece mais provável a Giandomenico Spinola, como a de
uma conhecida matrona romana, de nome Sallustia.

A obra gozava no segundo decênio do século XVI de prestígio
equiparável ao do Apolo do Belvedere e de pouco inferior ao
do Laocoonte. O fato não deixa, hoje, de surpreender, dada a
qualidade não particularmente elevada da obra. Mas se
explica em parte por sua presença muito precoce nas coleções
pontifícias. Na Vita di Bramante (1568), Vasari nota que até
a morte de Júlio II a Vênus compunha com estas duas
esculturas o núcleo fundamental do seu antiquario delle
statue antiche
:

Fecevi [Bramante] ancora la testata, che è in Belvedere
allo antiquario delle statue antiche, con l´ordine delle
nicchie; e nel suo tempo vi si messe il Laoconte, statua
antica rarissima, e lo Apollo e la Venere; che poi il resto
delle statue furon poste da Leone X, come il Tevere e ´l
Nilo e la Cleopatra, e da Clemente VII alcune altre, e nel
tempo di Paulo III e di Giulio III fattovi molti acconcimi
d´importanzia con grossa spesa

“Fez ainda [Bramante] a fachada que está no Belvedere, no
antiquário das estátuas antigas, com a ordem dos nichos; e
no seu tempo aí se colocou o Laocoonte, estátua antiga
raríssima, e o Apolo e a Vênus; pois o resto das estátuas
foram colocadas em seguida por Leão X, como o Tibre e o Nilo
e a Cleópatra, e por Clemente VII algumas outras, e no tempo
de Paulo III e de Júlio III foram ali feitas reformas de
vulto com grande despesa”.

É preciso manter em mente que se o Laocoonte beneficiava-se
das celebérrimas considerações de Plínio, a Venus felix
podia ser associada a uma passagem igualmente célebre do
naturalista sobre a Vênus de Cnido de Praxíteles, esculpida
por volta de 340 a.C. e proclamada no livro XXXVI como o
mais emblemático dos modelos estatuários do mundo antigo.

A admiração por aquela escultura antiga fora há pouco
reavivada por Francesco Colonna no Hypnerotomachia
Poliphili
(I, vii), o qual relembra a potência erótica
da estátua de Cnido, pela qual os humanos se apaixonavam.

Giovanni Francesco Pico della Mirandola compôs em 1512 seu
De Virgine et Cupidine expellendis carmen, um poema
de vituperação a esta estátua, contrapondo-lhe o modelo da
Virgem. O poema de 325 versos foi publicado em 1513 com uma
epístola endereçada a Lilio Gregorio Giraldi.

Luiz Marques
04/VII/2012

Bibliografia:
1510 – F. Albertini, Mirabilia Romae [Romae 1510], editum
Francisco Albertino Florentino. Lugdini : Romani Morin,
1520, cap. De statuis ac picturis, p. 36: “Apud quam [statua
Apollinis] est Veneris statua cum alato Cupidine parvulo
(…)”.
1513 – Andrea Fulvio, Antiquaria Urbis, Roma, fol. 36v.
1513 – Giovanni Francesco Pico della Mirandola, De Venere
et Cupidine expellendis Carmen. Roma: Iacomo Mazochio.
1523 – Anônimo Veneziano, Sommario del Viaggio degli oratori
Veneti che andarono a Roma dar obedienza a Papa Adriano VI.
1951 – E.H. Gombrich, “Hypnerotomachiana”, Journal of the
Warburg and the Courtauld Institutes, XIV, pp. 120-125,
reeditado em Symbolic Images. Studies of Art of the
Renaissance, London, 1972.
1970 – H. H. Brummer, The Statue Court in the Vatican
Belvedere. Estocolmo, 1970, pp. 123-129 e Appendix I, 1-3,
pp. 265-266.
1996 – G. Spinola, Il Museo Pio Clementino. Città del
Vaticano, vol. I, p. 97.

Artista

Arte Romana

Data

160/ 190c.

Local

Vaticano, Museo Pio Clementino

Medidas

214 cm

Técnica

Mármore

Suporte

Escultura

Tema

Mitologia, História e Topografia Antigas

Período

ARTE GRECO-ROMANA

Index Iconografico

12Ven - Afrodite Vênus; 12Ven1 - Vênus e Cupido (Afrodite e
Eros)

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *