Apolo, Mársias e o escravo cita

Registro inventarial: Ma 2347

Proveniente da Toscana e já na Coleção Campanna, este sarcófago foi descoberto em 1853 e adquirido para o Louvre em 1861. Ele representa o torneio entre Apolo Citaredo e Mársias, vistos à esquerda, o primeiro com sua cítara e o segundo com seu aulos, torneio cuja prenda seria o direito de esfolar o adversário. À direita, o sátiro derrotado encontra-se já atado a uma árvore enquanto o escravo cita de Apolo, agachado, afia a faca com a qual Apolo o esfolará.

A posição dessas três personagens a direita documenta com toda a probabilidade um grupo escultórico perdido, do qual se conservam apenas alguns exemplares isolados, dentre os quais a famosa escultura conhecida pelo nome de Arrotino*, isto é, o afiador de facas.

O Arrotino é um mármore representando um homem agachado, afiando uma faca. A escultura constituía desde 1688 uma das grandes atrações da Tribuna dos Uffizi. Em geral considerada uma cópia romana de um original pergameno, essa figura de “afiador de faca” representaria o escravo cita que se apresta, sob as ordens de Apolo, a esfolar um Mársias de tipo vermelho, como os do jardim do palácio de via Larga, e teria outrora pertencido a um grupo de Apolo e Mársias, conforme a composição reproduzida no desenho de René Charpentier, gravado por Chevallier e conhecido por Cabinet du sieur Girardon (Paris, 1710c.).

O Arrotino foi atribuído por Alessandro Parronchi a Michelangelo, proposta obviamente de suma importância e deve-se notar que este sarcófago traz uma ulterior confirmação da importância desse grupo que Michelangelo devia conhecer através de ao menos um exemplar conservado em Roma, pois já Ghirlandaio por volta de 1481-1482 citara a mesma figura em um detalhe do afresco do “Batismo de Cristo” da Capela Sistina.

Ao identificar no Arrotino da Tribuna dos Uffizi uma obra moderna, Parronchi retoma uma tradição que remonta a Sandrart [1675] e, dubitativamente, a Burckhardt [1855/1963:537] e a Kinkel [1876:58-107], mas também ao parecer de Mansuelli no catálogo das estátuas antigas dos Uffizi [1958:I,84-87], cat. 55, que o considera possivelmente obra moderna.

Luiz Marques
04/06/2011

Bibliografia
1975 – A. Parronchi, Opere giovanili di Michelangelo. Vol. II: Il Paragone con l´antico, pp. 127-155
1992 – A. Parronchi, Opere giovanili di Michelangelo. Vol. IV: Palinodia michelangiolesca, pp. 6-7

Artista

Arte Romana

Data

290/ 300c.

Local

Paris, musée du Louvre

Medidas

105 x 220 cm

Técnica

Mármore

Suporte

Escultura

Tema

Mitologia, História e Topografia Antigas

Período

ARTE GRECO-ROMANA

Index Iconografico

2Apo - Apolo Febo, Hélio, Sol; 12Apo8 - Apolo, Mársias, Olimpo e o escravo cita

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *