Floresta cortada (parte 1)

O livro “Flora Brasiliensis” originou-se da viagem dos naturalistas Spix e Martius pelo Brasil, entre 1817 e 1820. Eles vieram ao Brasil junto com um grupo de cientistas e naturalistas que acompanhavam a arquiduquesa Leopoldina, integrando a Missão Austríaca.

Spix e Martius iniciaram o itinerário nos arredores do Rio de Janeiro, viajando de São Paulo ao sul da Bahia. Posteriormente, percorreram os estados de Pernambuco, Piauí e Maranhão. Em julho de 1919, viajaram para Belém, de onde se dirigiram à Ilha de Marajó, Manaus e afluentes do rio Negro.

Nessa expedição foram coletadas mais de 6.500 espécies de plantas, além de espécies animais e artefatos indígenas de diversas tribos. Retornando à Munique, Alemanha, em 1820, os cientistas deram início à publicação do relato da viagem pelo Brasil.

A obra “Viagem pelo Brasil: 1817-1820” (Reise in Brasilien) foi publicada em 3 volumes (1823, 1828 e 1831) e reúne os relatos de viagem, e estudos aprofundados de botânica e zoologia. Com o falecimento de Spix, Martius assumiu a coordenação das publicações.

O projeto Flora Brasiliensis, iniciado em 1839, contava com o apoio do imperador Ferdinando I da Áustria, do rei Ludovico I da Baviera e do imperador Dom Pedro II do Brasil. O primeiro dos 140 fascículos que iriam compor a obra foi publicado em 1840, e a publicação só foi concluída em 1906.

A Flora Brasiliensis é formada por 15 volumes e descreve um total de 22.767 espécies. Várias pranchas com ilustrações foram adaptadas de obras de Thomas Ender, artista que acompanhou Spix e Martius durante o primeiro ano da viagem.

Essa gravura mostra a “Floresta cortada, com uma velha figueira, em São João Marcos, província do Rio de Janeiro”. Em primeiro plano, à direita, vemos as raízes aéreas da figueira, cuja grandeza podemos apenas imaginar, e a vegetação local, em toda a sua beleza e diversidade.

Em segundo plano e à esquerda, vemos a floresta devastada, que deu lugar à uma paisagem árida onde os troncos cortados assemelham-se a espinhos. Na área derrubada, apenas algumas árvores foram mantidas.

(continua no texto que acompanha a imagem de detalhe)

Artista

ENDER, Thomas

Data

1840c.

Local

desconhecido

Medidas

desconhecidas

Técnica

Litografia

Suporte

Pintura

Tema

Ciência Ilustração científica e Etnografia

Período

O SÉCULO XX NA AMÉRICA HISPÂNICA E NO BRASIL

Index Iconografico

1604 - Paisagem devastada; 1200 - A Ciência e as Ciências; 1200Bot - Botânica; 1544 - O lenhador e o carvoeiro

Autor

Maria Antonia Couto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *