Monumento a José de Alencar, Parte 4 – Relevo

No relevo “O sertanejo” de Rodolfo Bernardelli para o Monumento a José de Alencar é possível pensar que o momento representado pelo escultor é uma passagem secundária do romance daquele escritor, mas de grande importância por denunciar o poder da aristocracia no nordeste.
Trata-se da passagem em que o capitão-mor Gonçalves Campelo, saindo para uma vaquejada, depara-se com a cabana do camponês José Venâncio, com uma cumeeira de folhas de carnaúba recém-cortadas. Campelo proíbe o camponês de usar carnaúba de suas terras, pois a palmeira serve para fazer sombra ao gado na seca.
Alencar ressalta a relação de poder entre o fazendeiro e o camponês: “O matuto curvou de leve o joelho, fazendo submissa reverência ao capitão-mór, que prosseguiu no meio de sua comitiva”.

Maria do Carmo Couto da Silva
09/08/2010

Bibliografia:
[19–] – José de Alencar. O sertanejo. 5. ed. São Paulo : Melhoramentos, p.71. Disponível em: http://www.bibvirt.futuro.usp.br. Acesso em 20/04/2010.

(continua no texto que acompanha a imagem 5)

Artista

BERNARDELLI, Rodolfo

Data

1897

Local

Rio de Janeiro, Praça José de Alencar

Medidas

não disponíveis

Técnica

Bronze

Suporte

Arquitetura e Monumentos

Tema

Literatura Medieval Moderna e Contemporânea

Período

O SÉCULO XIX NA AMÉRICA HISPÂNICA E NO BRASIL (A PARTIR DE 1822)

Index Iconografico

508A - Monumentos cívicos à glória de uma personagem; 1000-AlSe - O sertanejo

Autor

Maria do Carmo Couto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *