Autorretrato (Poster da revista Der Sturm)

Trata-se de um poster que anuncia o novo número (Neue
Nummer
) da revista literária e artística Der
Sturm
(A Tempestade), criada neste ano de 1910 em Berlim
por Erwarth Walden, revista que apareceu bimestralmente até
1932.

A criação do termo “expressionismo” aparece neste contexto,
utilizada simultaneamente pelo próprio Erwarth Walden, pelo
marchand berlinense Paul Cassirer, em 1911, para designar a
pintura de Edvard Munch, e por Wilhelm Worringer, em um
número de agosto de 1911 do Der Sturm, para
caracterizar a obra de Paul Cézanne (1839-1905).

Assim como a noção de expressionismo remete antiteticamente
ao “impressionismo”, o título Der Sturm aludia ao
mesmo tempo à forma necessariamente tempestuosa da expressão
artística e ao Sturm und Drang, movimento que está na
raiz de um primeiro apogeu da cultura literária, filosófica
e musical alemã entre os anos 1770 e 1830, aproximadamente.

Neste poster, Oskar Kokoschka (1886-1980) mostra-se calvo,
com o torso nu, com a mandíbula cerrada, os dentes
arreganhados e uma expressão em que se combinam sofrimento e
esgar autocomplacente. Seu dedo aponta para uma chaga
obviamente alusiva à do Cristo na cruz e as letras “OK” que
se leem sobre sua mão funcionam simultaneamente como
assinatura e como aprovação.

Enviado ao front oriental em 1915, Kokoschka será ferido por
uma bala na cabeça e por um golpe de baioneta no pulmão
justamente na altura da chaga aqui representada. O artista
se compraz então em exibir este autorretrato como prova de
seus supostos poderes premonitórios.

Em 1910, Kokoschka deixa Viena para morar por pouco mais de
seis meses em Berlim, sob os auspícios de Adolf Loos, que
lhe encontra uma posição na revista de Walden. Sua atuação
como ilustrador, escritor e resenhista de espetáculos de
cabaré, entre outras atribuições, é então intensa e lhe
vale, por outro lado, uma notoriedade que Viena não lhe
propiciara.

Embora artisticamente profícua, a estada em Berlim é
descrita por Kokoschka de modo muito negativo, em uma carta
de 24 de dezembro de 1910 a Lotte Franzos, de quem ele
executará logo em seguida um retrato:

“Não foi jamais minha intenção perturbá-la com a enumeração
de meus tormentos e a insensata crueldade que arruinaram e
ensombreceram minha existência desde o primeiro dia em
Berlim até o fim de minha estada. Minha vida como um todo é
um inferno”.

Uma acerba recepção de sua obra por parte da crítica
aguardava-o a seu retorno a Viena em inícios de 1911. Viria
em seguida, de 1912 a 1915, a relação profundamente infeliz
e longamente traumática com Alma Mahler, viúva do compositor
a partir de maio de 1511.

Ainda em Berlim, em 1910, Kokoschka publica no número de
julho do Der Sturm, com ilustrações próprias, seu
drama Mörder, Hoffnung der Frauen (Assassino,
Esperança das Mulheres), escrito em 1907, encenado
escandalosamente uma única vez em Viena em 1909, e que se
tornaria no libreto da ópera homônima de Paul Hindemith,
cuja première é de 1921.

Uma edição independente desta peça, de 1916, conserva-se no
MoMA de New York. Ela é enriquecida com novas ilustrações de
Kokoschka estreitamente aparentadas, contudo, com o presente
poster.

Há uma evidente afinidade entre o expressionismo e o poster,
já pelo fato de compartilharem ambos o mesmo imperativo de
uma descarga elétrica de informação, visando a comunicação
imediata, enfática, inequívoca e “jornalística” com o
público. Este autorretrato reúne de modo exemplar as
qualidades típicas da sensibilidade expressionista e da
comunicação jornalística na sua mais elevada acepção.

Luiz Marques
02/12/2011

Bibliografia:
1987 – F. Whitford, Expressionist Portraits, New York:
Abbeville Press, p. 40.
1992 – O. Kokoschka, Letters. 1905-1976. Prefácio de E.H.
Gombrich, Londres: Thames and Hudson, p. 20.

Artista

KOKOSCHKA, Oskar

Data

1910

Local

Localização ignorada

Medidas

70 x 46,5 cm

Técnica

Litografia a cores

Suporte

Pintura

Tema

A Figura Humana Retratos e Caricaturas

Período

SÉCULO XX

Index Iconografico

1700C - Retratos Pintura; 1700C3 - Artistas e Autorretratos

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *