Trem blindado em ação (Il treno blindato)

Registro inventarial:

Do alto de seu ateliê em Paris, Gino Severini (1883-1966),
excluído do front por causa de uma doença pulmonar, podia
ver os trens blindados que partiam para o front a partir da
estação Denfert-Rochereau. É deste posto de observação que
ele retira elementos para esta composição vertical, na qual
cinco soldados em roxo, sem rosto, despersonalizados como
peças … Continue lendo...

Soldat im Irrenhaus II (Soldado no manicômio)

Assinada e datada, 1918

A experiência dos horrores da I Grande Guerra leva inúmeros
soldados ao manicômio ou ao menos a sanatórios para doenças
nervosas, como é o caso, por exemplo, de um artista como
George Grosz, internado em 1917.

Embora não haja notícias de que Conrad Felixmüller (Dresden,
1897-Berlim, 1977) tenha sofrido, ele próprio, como soldado
durante a longa … Continue lendo...

Síntese plástica da Ideia de Guerra

“Sob duas bandeiras francesas, lê-se a inscrição: Ordre de
Mobilisation Générale
; embaixo, a data “”1914″”.

Nascido em Cortona, Gino Severini (1883-1966) instala-se em
1899 em Roma, onde vive em dificuldade. O encontro em 1901
com Umberto Boccioni (1882-1916) e Giacomo Balla (1871-
1958), que retornam de Paris, é decisivo em suas leituras de
Schopenhauer, Nietzsche, os romancistas russos e … Continue lendo...

Salone dei Cinquecento

O termo Salone dei Cinquecento (Salão dos Quinhentos)
permanece ligado à sua criação, exigida pelo novo regime
republicano advindo da expulsão dos Medici em 1494.
Governada inicialmente (1494-1498) por Girolamo Savonarola
e, após a execução deste, por um conselho liderado por Piero
Soderini, eleito em 1502 Gonfaloniere perpetuo, a
República florentina (1494-1512) instituiu por vontade de
Savonarola um Conselho … Continue lendo...

Retrato do Imperador Frederico II de Hohenstaufen

O imperador Frederico II Hohenstaufen (1194 – 1250) apresenta-se nesta escultura monumental vestido com uma clâmide afivelada no ombro por uma fíbula onde estão gravadas as letras S.P.Q.R.

A inscrição da base em capitais antigas é de datação problemática, podendo ser posterior. Nela ainda se lê: DIVI … I …. CAE….

A posição do fragmento suscitou a hipótese de que … Continue lendo...

Retrato de Napoleão Bonaparte como Primeiro Cônsul

Nomeado Primeiro Cônsul em 1799, após o Golpe de Estado de
18 Brumário, e, em seguida, em 1802, Cônsul Vitalício até 18
de maio de 1804, quando é proclamado Imperador por um
decreto senatorial (Senatus Consultum), Napoleão
Bonaparte (1769-1821) faz-se aqui representar como Primeiro
Cônsul, posando num salão da Prefeitura de Liège (hoje sede
do Musée d´Armes), como … Continue lendo...

Retrato de Caroline Murat como Rainha de Nápoles

Assinado: “Ingres P[in]xit 1814”

Irmã mais jovem de Napoleão, Maria-Annunziata Caroline
Bonaparte (1782-1839) foi Alteza Imperial em 1804, quando
seu irmão se sagra imperador, e Grande-Duquesa de Berg em
1806, quando da vitória francesa sobre o Império austríaco.
Em tal condição, é retratada por Elisabeth Vigée-Lebrun.
Tendo desposado em 1800 Joachim Murat (1767-1815), um dos
mais fiéis colaboradores de Napoleão, … Continue lendo...

Projeto para o Sepulcro de Júlio II

Localização inventarial: Rogers Fund (62.93.1)

O Metropolitan Museum considera o desenho como um modello autógrafo de Michelangelo para o segundo projeto, de 1513, do sepulcro de Júlio II. Assim o caracteriza também Hirst [1976:375] e [1988:26,n.9], que, no mais recente destes dois estudos, cogita ser este desenho uma versão abandonada para o projeto de 1505 do monumento funerário ao papa. … Continue lendo...

Projeto de 1513 para o Sepulcro de Júlio II

Trata-se de uma cópia, assinada por Jacopo Rocchetti, de um
desenho de Michelangelo, provavelmente autógrafo, mas em
péssimo estado de conservação, conservado em Berlim,
Staatliche Museem, Kupferstichkabinett, n. 123 (inv. 15305,
Corpus 55).

Para Hartt [1971:n.45], não se trataria de um desenho para o
contrato de 1513, mas de um desenho alternativo para o
projeto de 1505, reutilizado todavia em … Continue lendo...

Primeira Missa

A missa ao ar livre foi uma temática assaz explorada por artistas brasileiros e europeus. Na França, pintores como Nicolas-Antoine Taunay (1755-1830), Horace Vernet (1789-1863) e Henri Blanchard (1805-1873) representaram o tema nos séculos XVIII e XIX, ora exaltando o ritual em meio à natureza, ora reforçando o domínio político europeu durante o processo de colonização ocorrido ao longo dos … Continue lendo...