Crucificação

Registro inventarial: inv. 145

Veronese (1528-1588) inverte a diagonal da “Crucificação” de
Jacopo Tintoretto para a igreja de San Casciano (1568),
descentrando-a para a esquerda. Ambas as composições rompem
com a perpendicularidade da frisa narrativa em relação ao
eixo do olhar e parecem estar entre as primeiras antevisões
da linguagem cinematográfica, com seu découpage e
ângulo de visão arbitrários, e com a elaboração de um
plano em profundidade de campo.

Os céus, verdadeiros protagonistas da composição, recobrem-
se de trevas, em alusão a Mateus (27, 45):

A sexta autem hora tenebrae factae sunt super universam
terram usque ad horam nonam

“A partir da sexta hora fizeram-se trevas sobre a toda a
terra, até a nona hora”.

Sob a cruz, abraçada por Madalena, a Virgem desmaia e é
amparada por João, enquanto o amarelo do manto que recobre
uma das mulheres pias oferece decerto o momento visualmente
mais meditativo do drama. Ao fundo, a vista da cidade de
Jerusalém é ocasião para a construção de arquiteturas
fantásticas e evanescentes.

A obra poderia ser identificada com a “Crucificação” citada
por Marco Boschini em 1660 na casa de Giovanni Garzoni
(1608-1677). Ela foi adquirida em seguida do famoso
banqueiro e colecionador Everhard Jabach por Luís XIV.

A datação é incerta e oscila de 1570c. aos últimos anos da
atividade de Veronese. Há um desenho preparatório com
variantes de detalhe para esta composição no Fogg Art Museum
de Cambridge (Mass.).

Luiz Marques
25/11/2012

Bibliografia:
1983 – R. Cocke, in J. Martineau, C. Hope, The Genius of
Venice 1500-1600. Catálogo da exposição, Londres, Royal
Academy of Arts, p. 240.
1987 – P. Le Leyzour, Italie. Histoire d´une
collection. Catálogo da exposição, Bordeaux, Galerie des
Beaux-Arts, p. 174.

Artista

VERONESE, Paolo Caliari, chamado

Data

1584c.

Local

Paris, musée du Louvre

Medidas

102 x 102 cm

Técnica

Óleo sobre tela

Suporte

Pintura

Tema

Bíblia e Cristianismo

Período

36 - SÉCULO XVI

Index Iconografico

610 - Crucificação e Imagens do Gólgota

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *