Volta do Mercado

A tela “A volta do mercado” do pintor português Antonio Carvalho da Silva Porto (1850-1893) reflete o interesse do artista pelos temas da pintura de gênero, privilegiando cenas ao ar livre.

Neste quadro foi representado um grupo de camponeses que regressa de uma feira ou mercado em uma tropa de burros, e carrega a carga em grandes cestos de vime.… Continue lendo...

Vista de um Mato Virgem que se está reduzindo a carvão. Detalhe

(continuação do texto que acompanha a imagem principal)

Considerando essa pintura e os trabalhos de José Bonifácio e Carlos Taunay em seu Manual, a relação entre escravidão e desmatamento é um tema recorrente da crítica que se faz à preservação do meio ambiente.

A brutalidade do movimento dos machados e a indiferença dos negros em relação ao destino da floresta, … Continue lendo...

Vista de um Mato Virgem que se está reduzindo a carvão

O debate em torno da questão ambiental no Brasil começou bem antes do que se imaginava. Em seu livro pioneiro, “Um Sopro de Destruição”, José Augusto Pádua revelou que, já no início do século XIX, a destruição das florestas brasileiras estava na agenda de políticos, intelectuais e artistas de grande relevo, como José Bonifácio, Joaquim Nabuco, Januário da Cunha Barboza, … Continue lendo...

Vista de Amalfi

“Felix Mendelssohn-Bartholdy (1809-1847) conta-se entre os
criadores da ideia de uma tradição musical essencialmente
alemã, tal como ainda hoje a entendemos: de Bach, cuja
proeminência ele revela ao mundo entre 1827 e 1829, a
Brahms, seu “”sucessor”” (segundo declara Eduard Marxsen em
1847), passando por Haydn, Mozart, Beethoven e Schumann, que
o venera.

Compositor dotado de um personalíssimo senso melódico, … Continue lendo...

Ventania (imagem 2: detalhe)

“(continuação do texto que acompanha a imagem principal)

Na opinião de José Roberto Teixeira Leite: “”As paisagens de Teles Júnior não retratam recantos poéticos ou visões paradisíacas; são, antes, evocações dos rincões agrestes em que pousou o olhar, a terra rude, quase selvagem em seus contornos, o matagal cerrado, as palmeiras esguias, as picadas no meio da mata por onde … Continue lendo...

Ventania (imagem 1)

Considerado um dos melhores intérpretes da paisagem nordestina, Telles Júnior viveu em Recife onde, na década de 1880, tornou-se professor da Sociedade dos Artistas Mecânicos e Liberais e do Liceu de Artes e Ofícios, do qual foi também diretor.

O quadro apresenta uma paisagem típica da região litorânea do nordeste, na qual duas mulheres que carregam cestos e caminham com … Continue lendo...

Vassouras

“Esta litografia foi realizada para ilustrar o livro “”Brasil Pitoresco””, de Charles Ribeyrolles e Victor Frond, publicado entre 1859 e 1861.

Seus autores percorreram o interior do Rio de Janeiro por volta de 1858. As fotografias foram utilizadas como base para as litografias realizadas na Maison Lemercier, em Paris. As litografias originais produzidas para ilustrar o livro não eram coloridas, … Continue lendo...

Artista

FROND, Victor (fotografia); CICÉRI, Eugène (lito)
Data
1858

Torrente em uma floresta

Registro inventarial: inv. n. E 97

Trata-se do pendant de Entrada na Floresta de
Laura Bernasconi (ativa em Roma em 1674).

Veja: http://www.mare.art.br/detalhe.asp?idobra=2097

Bibliografia:
1987 – P. Le Leyzour, Italie. Histoire d`une collection
Catálogo da exposição, Paris: RMN, p. 62.… Continue lendo...

Terraço do Passeio Público

“Na fotografia de Klumb vemos um menino negro sorridente que caminha em um trecho ensolarado do terraço do Passeio Público.

Nosso olhar percorre inicialmente os feixes de linhas diagonais que ornamentam o piso e percebe, à esquerda, a murada, de onde era possível avistar a baía (na época o mar chegava até o local), e os sucessivos postes de iluminação … Continue lendo...

Templo Protestante, Salvador (BA)

“A litografia foi realizada para ilustrar o livro “”Brasil Pitoresco””, de autoria dos franceses Charles Ribeyrolles e Victor Frond, publicado entre 1859 e 1861.

As fotografias foram utilizadas como base para as litografias realizadas na Maison Lemercier, em Paris. O livro iria representar o Brasil na Exposição Universal de Londres, em 1862.

De acordo com o projeto inicial, os autores … Continue lendo...