Crucificação com uma freira como comitente. Anunciação, Santa Brígida e a Virgem

Registro inventarial: Bequest of Lore Heinemann, in memory
of her husband, Dr. Rudolf J. Heinemann, 1996 (1997.117.9)

O Museu atribui dubitativamente esse pequeno tríptico
destinado à devoção privada a Paolo Uccello (Florença,
1397-1475). A qualidade excepcional da obra, e em especial
da figura do Cristo, parece justificar a audaciosa
atribuição a Uccello.

O fundo ouro, a estrutura da composição em tríptico e as
posturas compostas das figuras são traços remanescentes da
pintura toscana de finais do século XIII e do século XIV.
Esses traços reforçam a atribuição pois bem se coadunam com
o esplêndido arcaísmo de Uccello. Seu gênio permitia-se
combinar livremente arrojadíssima imaginação espacial,
grande potência plástica, como a do torso do Cristo, e
reminiscências da pintura toscana do Trezentos, que se
encontram aqui por toda a parte disseminadas.

Uccello não segue, entretanto, os modelos iconográficos
do século XIV. De fato, pinta na aba direita a Virgem com o
Menino Jesus, presença incomum nesse espaço, em geral
dedicado nos trípticos canônicos a santos ou santas.

Na aba esquerda, vê-se a santa que dá nome à Ordem,
Santa Brígida (1304c.-1373), uma aristocrata sueca que ao
enviuvar consagrou-se à peregrinação e à disciplina
religiosa. Ela é aqui representada com a tocha com a qual se
penitenciava.

O prado florido pisado pela Virgem reitera o proverbial
gosto do artista pelo gótico francês, outro traço de
arcaísmo na Florença de meados do século XV.

A freira que aparece aos pés da cruz, normalmente a
comitente da obra, pertence à Ordem das Brígidas, do
convento de Santa Maria del Paradiso in Pian di Ripoli,
perto de Florença, fundado em 1394. Uma inscrição
identifica-a como “S Felicita”, isto é, como Irmã (Suor)
Felicita. Ela se faz pintar de joelhos com um rosário nas
mãos e com um adereço cravejado de pedras preciosas na
cabeça.

Segundo as pesquisas de Rolf Bagemihl em 1980, reportadas na
documentação do Metropolitan, certa Felicità di Francesco
Casavecchia ingressou naquele convento em janeiro de 1455,
data em torno da qual se situaria a criação dessa obra.

Como indica o registro inventarial, o tríptico pertenceu a
Rudolf J. Heinemann (1901-1975) e não entrou nas coleções do
Museu senão em 1997. Provavelmente por essa razão, não é
ainda mencionada no Catálogo de Paolo Uccello publicado em
1971 por Lucia Tongi

Artista

UCCELLO, Paolo

Data

1455c.

Local

New York, The Metropolitan Museum of Art

Medidas

41,9 x 24,1 cm (aba central)

Técnica

Têmpera sobre madeira

Suporte

Pintura

Tema

Bíblia e Cristianismo

Período

SÉCULO XV

Index Iconografico

610 - Crucificação e Imagens do Gólgota; 606A1 - Anunciação;
806Brig - Santa Brígida

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *