José no Egito. Detalhe

(continuação do texto que acompanha a imagem principal)

3) Pela escadaria curva que circunda o edifício sobem Efraim e Manasse, um deles acolhido pela mãe, Asenet (filha de Putifar), e o outro levado pela mão de seu pai, José, que enigmaticamente volta o olhar para o espectador. O detalhe aguça a sensação onírica de irrealidade criada pelo conjunto da paginação cênica e sobretudo por esse fantástico palco suspenso. Os dois filhos serão abençoados pelo moribundo Jacó, representado no canto superior direito rodeado de seus filhos.

A outra personagem em vermelho situada nos degraus inferiores aponta com o dedo o protagonista, dissociando-se assim da cena, à maneira de um comentador. Ela pode ter alguma relação com o comitente, como sugere Philippe Costamagna [1994:130], mas vem quase a suspeita de que Pontormo a tenha pintado apenas pelo prazer de projetar a anamorfose de sua sombra sobre a parede curva.

Segundo Costamagna, a relação de José com Jacó ressoaria diretamente na de Pierfrancesco com seu pai, Salvi Borgherini. Elas se plasmam nas três diagonais narrativas, que corresponderiam às três virtudes ensinadas pela história de José: o reconhecimento do poder dos Medici (na figura do faraó), o elogio da virtude do trabalho e da caridade e o elogio da piedade filial, que remete ao universo da família e da descendência, alusão apropriada a um aposento nupcial e às expectativas dinásticas dos Borgherini, nos quadros do reinado de facto dos Medici restaurado em 1512.

O mesmo estudioso sugere que as colunas e o carro que transporta José sejam reminiscências das arquiteturas efêmeras e das festividades ocasionadas pela munificente entrada triunfal de Leão X em Florença, em 1515. As três colunas com suas eloquentes estátuas gesticulatórias evocariam as 40 colunas com estátuas que se encontravam na entrada do quartiere papal de S. Maria Novella.

A construção do espaço nada tem de racional e objetivo, os típicos esquemas da perspectiva quatrocentista dão lugar a uma expressividade mais livre. O espaço abandona as estruturas ortogonais e torna-se caleidoscópio e multifocal, como faz notar Antonio Pinelli.

A narrativa curva o espaço, aglomerando fatos e precedentes, episódios principais e secundários. Pinelli aproxima-a das composições medievais que preferem o acúmulo à síntese, como na sequência da escadaria pela qual sobem os filhos de José.

Vestindo ambos os filhos de modo idêntico, Pontormo parece brincar conscientemente com o recurso medieval, como se sugerisse a representação de apenas uma criança em momentos diferentes. Tal recurso da falsa duplicação das figuras de Manasse e Efraim alude também à própria passagem bíblica que narra a anulação da prerrogativa da primogenitura, profetizada por Jacó (Gênesis, 48,8-20).

As formas agitadas e pouco ortodoxas de Pontormo conferem um caráter peculiar às suas pinturas deste período, denominado problematicamente como “maneirismo inicial” e que Pinelli prefere chamar de “experimentalismo anticlássico”.

Fernanda Marinho e Luiz Marques
09/02/2011

Bibliografia:
1953 – R. Wischnitzer, “Jacopo Pontormo´s Joseph Scenes”. Gazette des Beaux-Arts, 41, pp. 145-166.
1973 – L. Berti, L´opera completa del Pontormo. Milão: Rizzoli, p. 92
1981 – A. Pinelli, “La maniera: definizioni di campo e modelli di lettura”. In: Storia dell´arte italiana. Parte seconda: dal Medioevo al Novecento. Volume II: Dal Cinquecento all´Ottocento. Torino: Giulio Einaudi editore.
1994 – P. Costamagna, Pontormo. Catalogue raisonné de l´oeuvre peint. Paris: Gallimard/Electa, p.
1997 – A. Wright, L´officina della maniera: varietà e fierezza nell´arte del Cinquecento fra le due Repubbliche (1494 – 1530); Pontormo e Rosso; la maniera moderna in Toscana. In, Renaissance studies, 11.1997, p. 154-159
2002 – C. Plazzotta, R. Billinge, “The underdrawing of Pontormo´s Joseph with Jacob in Egypt”. The Burlington magazine, 144, pp. 660-670.

Artista

PONTORMO (Jacopo Carucci, chamado Il)

Data

1517/ 1518

Local

Londres, National Gallery

Medidas

96 x 109 cm

Técnica

Óleo sobre madeira

Suporte

Pintura

Tema

Bíblia e Cristianismo

Período

36 - SÉCULO XVI

Index Iconografico

522 - José, o Egípcio; 522.16 - A chegada de Jacó no Egito e a audiência do faraó; 522.18 - Jacó abençoa Efraim e Manasse

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *