São Caetano de Tiene

Registro inventarial: inv. T. 2177

São Caetano de Tiene (Gaeta, 1480 – Nápoles, 1547) pertence
a uma família do patriciado veneziano. Ordenando-se em 1516,
ele recebe de Leão X o título de Cardeal e assume a difícil
posição de representar o Papado na Alemanha, durante a
Reforma, o que o converterá, quando canonizado, em patrono
da Baviera.

Em 1521, associado a Pietro Caraffa, bispo de Chieti (cujo
antigo nome é Theatus), ele funda a Ordem dos Teatinos,
aprovada em 1524 por Clemente VII. Sua canonização em 1671
foi precedida por um culto que se desenvolve enormemente na
França, desde a introdução da Ordem naquele país, em 1642,
por Mazarin e a rainha Ana de Áustria.

Fonte importante para o estabelecimento da iconografia é a
Nuova e più copiosa storia dell’ammirabile, ed apostolica
vita di S. Gaetano Thiene
(Veneza, 1726), escrita pelo
Padre Gaetano Maria Magenis, pertencente aos chierici
regolari
.

O santo é representado com a flor de lis, seu principal
atributo, além de um livro e um crucifixo. Já no século XVII
sua iconografia se difunde com um ciclo a ele consagrado por
Andrea Vaccaro (Museo del Prado) e com uma pala de Francesco
Maffei (Vicenza, S. Stefano, 1625).

No Setecentos, a iconografia estende-se, com a proliferação
de igrejas consagradas ao santo, e através de obras de
Giuseppe Maria Crespi (Duomo de Benevento), Sebastiano Ricci
(Brera), Corrado Giaquinto (Prado) e do próprio Giambattista
Tiepolo, que voltará ao tema em uma obra mais tardia: a
“Apoteose de S. Caetano de Thiene”, na igreja paroquial de
Rampazzo, perto de Vicenza (1757).

A presente obra foi reproduzida no catálogo de Antonio
Morassi, que a considera “certainly a good early work by
Giambattista” e a data de 1730-35. Ela deve ser colocada de
fato em estreita dependência de estilo com outra obra de
Tiepolo (1696-1770), de mesmo tema, “A Visão de S. Caetano”
(129 x 73 cm), na Galleria dell’Accademia de Veneza. Esta
última decorava originalmente a Capela do Palácio da família
Labia, que o tinha por santo padroeiro e foi concordemente
datada de 1736 circa por Morassi e Adolfo Pallucchini, dada
sua proximidade com obras como a “Educação da Virgem”, a
“Adoração do Menino Jesus”, para S. Zulian e a “Virgem em
Glória”, de Rovetta.

A obra encontra-se já em 1862 na Academia Imperial de Belas
Artes e provém da coleção de Angelo Antonio Rosea. Ela é
adquirida pela Academia em 1874.

Luiz Marques
24/10/2011

Bibliografia
1962 – A. Morassi, A Complete Catalogue of the Paintings of
G.B. Tiepolo. Londres, p. 45, fig. 174
1992 – L. Marques, Pintura Italiana Anterior ao século XIX
em Coleções Brasileiras. São Paulo, pp. 131 e 173

Artista

TIEPOLO, Giambattista

Data

1730/ 1735c.

Local

Rio de Janeiro, Museu Nacional de Belas Artes

Medidas

98 x 78 cm

Técnica

Óleo sobre tela

Suporte

Pintura

Tema

Bíblia e Cristianismo

Período

SÉCULO XVIII

Index Iconografico

806 - Imagens e Ciclos Biográficos de santos; 806Caet - São
Caetano de Tiene

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *