Madona com o Menino, Sant´Ana e os Santos protetores de Florença (Pala della Signoria)

Registro inventarial: inv. 1890, n. 1574

Elaborado entre 1501 e 1510, o programa decorativo da Sala del Gran Consiglio do Palazzo della Signoria, em que deveriam se inserir os célebres afrescos, jamais executados, de Leonardo da Vinci e de Michelangelo, compreendia duas obras sacras:

a. a primeira é este enorme retábulo para o altar daquela Sala, onde Savonarola oficiara missa e predicara com frequência. Inicialmente encomendado a Filippino Lippi (conforme narra Vasari), ele foi finalmente executado por Fra Bartolomeo. Na obra estão representados, como se lê na Vita vasariana desse pintor: “todos os protetores da cidade de Florença e os Santos em cujos dias a cidade conquistou suas vitórias”. Aí está, com efeito, São Vitório, celebrado no dia 29 de julho, dia da batalha de Cascina, tema do afresco de Michelangelo.

b. a segunda obra teria sido uma escultura em tamanho natural de Cristo, que deveria coroar uma loggia no interior do salão destinada a abrigar o gonfaloniere e outras autoridades, como a designar que Cristo tornara se, como foi então nomeado, Rex Florentiae. A escultura, encomendada a Andrea Sansovino, não foi aparentemente executada.

A assim chamada Pala della Signoria foi encomendada em 1498 a Filippino Lippi, morto em 1504, e novamente a Fra Bartolomeo, agora por Pier Soderini, gonfaloniere perpetuo da República Florentina, conforme deliberação de 26 de novembro de 1510. Com o retorno dos Medici em 1512 e a consequente destituição da República e de seus espaços funcionais e simbólicos, o retábulo, então apenas começado, perde sua atualidade e é transferido para o convento de San Marco. Lá, Fra Bartolomeo retoma-o em 1516, vindo logo em seguida a falecer, sem ter podido colori-lo e levá-lo a termo.

Com a proclamação da Segunda República florentina de 1527-1530, a a pala della Signoria retorna brevemente à sua posição de origem, sendo, provavelmente por volta de 1540, adquirida por Ottaviano de´ Medici e, como narra Vasari, colocada em sua capela em San Lorenzo (onde é sepultado em 1546), em cumprimento daa disposições testamentárias de Bernardetto di Antonio di Giovenco de´ Medici, que previam a construção de uma capela naquela igreja em honra de S. Bernardo.

É impossível no estágio atual identificar todo os santos “protetores da cidade de Florença e aqueles em cujos dias a cidade havia obtido suas vitórias”, como afirma Vasari. Note-se, desde logo, a representação da SS. Trindade em cima da composição, na forma de três rostos, forma condenada por S. Antonino e reabilitada por Savonarola. Ela retorna ainda, como assinala Serena Padovani, no afresco de Andrea del Sarto do Cenacolo vallombrosiano di San Salvi.

Ao centro, encontra-se Sant´Ana, em cujo dia foi expulso de Florença o duque de Atenas, em 1343. Os outros santos protetores, susceptíveis de identificação, são Santa Reparata, San Barnaba, S. Vítor, S. Zanobi, S. Bernardo (ou S. Giovanni Gualberto) e S. Antonino.

Luiz Marques
19/04/2011

Bibliografia
1996 – S. Padovani, L´Età di Fra´ Bartolomeo e la Scuola di San Marco. Catálogo da exposição. Florença, palazzo Pitti e Museo di San Marco, p. 101

Artista

BARTOLOMEO, Fra

Data

1511/ 1517

Local

Florença, Museo di San Marco

Medidas

465 x 308 cm

Técnica

Óleo sobre madeira

Suporte

Pintura

Tema

Bíblia e Cristianismo

Período

36 - SÉCULO XVI

Index Iconografico

712A - A Virgem com o Menino Jesus e Santos (Sacra Conversação)

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *