Capela Sistina. Parte 2

(continuação do texto que acompanha a imagem I)

Os círculos em mosaico do piso, alinhados da porta da capela à porta da iconóstase (em sua antiga posição), representam as procissões litúrgicas, enquanto os quatro círculos nos ângulos do pavimento em frente ao altar indicam as quatro posições sucessivas para a liturgia. Cf. Hartt, in Colalucci [1990:III,5].

A arquitrave da iconóstase é decorada por candelabros de mármore e por relevos de autoria de Mino da Fiesole e Giovanni Dalmata, que se inspiraram em relevos antigos situados nas proximidades da entrada do Pantheon. Segundo Nesselrath, um dos candelabros à extrema direita desta arquitrave seria de autoria do próprio Michelangelo.

Quando a iconóstase estava ainda na posição inicial, as duas áreas do piso da Capela que ela demarcava correspondiam precisamente às duas seções em que se dividem as nove cenas pintadas no abóbada por Michelangelo: quatro afrescos representando o homem depois do Pecado Original incidem sobre a área destinada aos fiéis, enquanto as demais cinco cenas, representando o universo e o homem antes da queda, incidem sobre a área destinada aos clérigos, com acesso ao espaço propriamente sagrado, isto é, ao presbitério e ao altar

A Capela tinha originariamente o aspecto e a função de fortaleza, dedicada à defesa do Palácio Vaticano e dispunha no teto de instalações para soldados. Paralela à basílica de S. Pedro, e contrariamente à orientação canônica, ela tem sua fachada voltada para leste e sua entrada cerimonial articula-se a um corredor transversal que a liga, após a intervenção de Paulo III (1534-1549), à Sala Régia e à Capela Paolina.

Ela fornecia o cenário de ritos litúrgicos peculiares à majestas papalis. Segundo o Ordo Romanus de Paris de Grassis, Mestre de Cerimônias de Júlio II (1503-1513), os ofícios celebrados em presença do papa eram oito vésperas, cinco matinas e vinte e sete missas, distribuídas ao longo das principais festas do ano litúrgico, além de missas funerárias em homenagem a papas, cardeais, imperadores e príncipes.

Nas vésperas de Natal, nove leituras dos Evangelhos eram propostas ao Papa e seu séquito e no Sábado de Aleluia o coro cantava para a mesma audiência doze profecias escolhidas desde o Gênese até os últimos profetas, cf. Steinmann [1905:I,165] e Tolnay [1960:101].

Neste contexto nascem obras de dois dos maiores compositores do século XVI, tais como o Liber Generationis Jesu Christi, de Josquin Desprez, e o ciclo das Prophetiae Sybillarum

Artista

Michelangelo Buonarroti

Data

1478/ 1541

Local

Vaticano, Capela Sistina

Medidas

40,23 x 13,41 x 20,73 metros

Técnica

Afresco

Suporte

Arquitetura e Monumentos

Tema

Bíblia e Cristianismo

Período

SÉCULO XV

Index Iconografico

500 - Decorações de tetos, abóbodas, paredes e pavimentos: emblemas, motivos geométricos, cosmatescos, etc.; 502 - Capelas

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *