Jovem entre o Vício e a Virtude

“O quadro do Museu do Prado já foi considerado pelos historiadores uma obra de juventude de Veronese, retomada posteriormente em “”Hércules entre o Vício e a Virtude””, da Frick Collection, de Nova York (1576c.)

Bernard Berenson considerou a pintura uma obra tardia, de datação próxima àquela da Frick Collection. O catálogo do artista publicado por Pignatti (1976) e retomado na publicação de Pallucchini (1984) avalia que a obra deve ser datada em torno de 1581.

Panofsky chamou a atenção para o quanto as duas figuras femininas são semelhantes às do quadro de Veronese pertencente à coleção de Nova York. Neste quadro, Hércules torna-se um menino de oito ou dez anos, vestido em costume patrício de cor púrpura. Segundo Ridolfi o menino pertencia à família Sanudo.

A figura da Volúpia, sentada à esquerda, apresenta-se calçada e ornada de ouro. Ela traja um belo vestido decotado, e olha para o menino com ar sedutor. Acima dela está uma tapeçaria ricamente drapeada e, no plano de fundo, vemos uma arquitetura palladiana.

A Virtude, de aspecto severo, está em pé, e possui uma coroa de louros na cabeça. Envolta em uma espécie de manto, agarra o menino pelos dedos e o leva em passos rápidos. Ele não volta o olhar para a Volúpia, mas segue a Virtude, submisso. Segundo Panofsky este poderia ser um “”quadro de confirmação””, realizado para comemorar a data de uma responsabilidade ético-religiosa.

O quadro “”A escolha de Hércules”” ou “”Hércules entre o Vício e a Virtude”” é uma variação sobre uma temática cara aos pintores do Renascimento. De acordo com o ensaio de Panofsky, o mito da escolha de Hércules foi narrado por Pródico e sua versão mais antiga foi transmitida por Xenofonte, em “”Memorabilia””, II, 1, 21-33: “”Hércules, jovem, repleto de dúvidas, estava refletindo em um local isolado e não muito preciso. Surgem duas mulheres que se dirigem a ele, procurando arrebatar o jovem, prometendo, cada uma a seu modo, conduzi-lo à felicidade. A primeira, que representa o Vício, promete um caminho mais agradável e fácil, por sua alegria e ociosidade; a segunda, associada à Virtude, indica uma trajetória longa e difícil, repleta de privações e perigo. A escolha de Hércules é conhecida: ele decide-se pela Virtude””.

(continua no texto que acompanha a imagem em detalhe)

Artista

VERONESE, Paolo Caliari, chamado

Data

1581c.

Local

Madri, Museu do Prado

Medidas

102 cm x 153 cm

Técnica

Óleo sobre tela

Suporte

Pintura

Tema

Alegorias e Temas Artísticos Morais e Psicológicos

Período

36 - SÉCULO XVI

Index Iconografico

70 - HÉRACLES/HÉRCULES e seu ciclo; 70G - Hércules na Encruzilhada e símbolo do triunfo da virtude sobre a força e os poderes mundanos;

Autor

Maria Antonia Couto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *