Minotauro

Registro inventarial: inv. 1664a

Minotauro, cujo nome era Astérios ou Astérion, era filho de
Passifae com um touro enviado a seu marido, Minos, rei de
Creta, por Poseidon. Dos amores de Passifae e desse touro,
nasce a figura monstruosa de um homem com cabeça de touro,
que Minos aprisiona em um labirinto construído para esse fim
por Dédalo, o arquiteto ateniense que habitava em sua corte
em Creta.

Como por nove anos (segundo Plutarco), Minos sacrificasse
anualmente ao Minotauro sete rapazes e sete moças oferecidas
por Atenas para aplacar a ira divina, no terceiro ano Teseu
ofereceu-se para este sacrifício e matou o Minotauro,
valendo-se para se guiar no labirinto do auxílio de Ariadne,
filha de Minos. Na Vida de Teseu, Plutarco passa
rapidamente sobre esta façanha do herói, considerando que “a
maior parte dos autores antigos a narraram”. E, de fato,
segundo Sérvio, comentador do século IV da Eneida de
Virgílio, já Safo havia escrito a respeito.

O presente fragmento é uma cópia romana, com função de
fonte, do perdido grupo brônzeo Teseu e o Minotauro
de autoria de Miron de Eleuterai, outrora sobre a Acrópole
de Atenas, onde ele figurava em frente do não menos célebre
grupo de Atena e Mársias, também de Miron. Suas
dimensões eram, se preservadas na cópia, 1/3 maior que a
escala humana.

Ambos os grupos são de fato descritos “um de frente para o
outro” por Pausânias em sua Descrição da Grécia
(Ática, xxiv), composto entre 160 e 176:

“Neste lugar há uma estátua de Atena em luta com Mársias, o
Sileno, pela flauta, que a deusa desejava jogar fora
definitivamente. Em frente dela, representa-se a luta entre
Teseu e o assim chamado Touro de Minos, seja que fosse um
homem ou um animal da natureza que a história narra. Pois
mesmo em nossos tempos mulheres deram à luz monstros muito
mais extraordinários que este”.

Os dois grupos ocupavam uma posição de honra na Acrópole,
possivelmente, como cogita Phillips Stevens (1936), de cada
lado da entrada da Acrópole, o Propylon. A popularidade em
especial do grupo de Teseu e o Minotauro é atestada
ainda em diversos vasos e em três diferentes moedas
atenienses.

Luiz Marques
25/06/2011

Bibliografia:
1936 – G. Phillips Stevens, Hesperia. The Journal of the
American School of Classical Studies at Athens, 5, 4, pp.
443-520, p. 483.
1938 – Ch. Picard, “Sur un célèbre groupe disparu : Thésée
combattant le Minotaure à l´Acropole d´Athènes”. Mélanges
d´archéologie et d´histoire, 55, pp. 28-41.
2002 – N. Kaltsas, Sculpture in the National Archaelogical
Museum, Athens. Los Angeles: The J. Paul Getty Museum, p. 96

Artista

Miron de Eleuterai (cópia romana)

Data

-470- 440 a.C.

Local

Atenas, Museu Arqueológico Nacional

Medidas

73 cm

Técnica

Mármore

Suporte

Escultura

Tema

Mitologia, História e Topografia Antigas

Período

ARTE GRECO-ROMANA

Index Iconografico

71F - Teseu; 71F3 - Teseu e o Minotauro

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *