Um ensaio no balcão do coro

Registro inventarial: Gift of George I. Seney, 1887
(87.8.12)

Inscrições: assinado no canto inferior direito.

Henri ou Henry Lerolle (1848-1929) estuda pintura com Louis
Lamothe, um discípulo de Ingres, e expõe regularmente nos
Salons a partir de 1868. Em 1890, inscreve-se entre os
refundadores da Société Nationale des Beaux-Arts, ao lado de
Meissonier, Puvis de Chavanne, Dalou e Rodin.

Além de pintor de grande talento, Lerolle é também
violinista, compositor, colecionador, mecenas e, sobretudo,
figura em torno da qual se articula a cultura parisiense da
Terceira República.

Seu hôtel particulier da Avenue Duquesne, 20, próximo
dos Invalides, que ele decora com vitrais de Albert Besnard,
é frequentado por pintores como Degas, Monet, Renoir,
Maurice Denis e Gustave Moreau.

Iniciado em música e em composição por Ernest Chausson, seu
concunhado (as esposas Escudier eram irmãs), Lerolle torna-
se amigo de músicos como Duparc, Prokofiev, Ravel, Satie,
Stravinski e Debussy. Lerolle é um dos primeiros entusiastas
do ainda inacabado Pelléas de Debussy, que lhe dedica
o lied De Soir, das Proses Lyriques (1892-1893). Numa carta
a Chausson, de 5 de fevereiro de 1894, Lerolle escreve com
visível orgulho: “Debussy m´a dit qu´il n´y avait qu´un
peintre qui s´y connaisse en musique et que c´était moi.
Peut-être a-t-il des raisons pour cela, le mâlin… Je ne
vois plus que Debussy et quelquefois [Rosa] Bonheur”.

Suas duas filhas são as duas adolescentes retratadas no
celebérrimo quadro de Renoir, “Yvonne e Christine Lerolle ao
piano” (1897-1898), do Musée de l´Orangerie em Paris, além
de terem inspirado “L´École des Femmes” (1919-1929) de André
Gide. Elas reaparecem, ao lado do pai, numa foto-composição
de Edgar Degas, de 1896.

Ambas desposam os filhos de outro amigo de Lerolle, o
industrial e maior colecionador da Paris de sua geração,
Henri Rouart, de quem Paul Valéry esboça um retrato
memorável em seu Degas Danse Dessin. De resto, Yvonne
Lerolle era próxima amiga de Julie Manet, filha de Berthe
Morisot.

Juntas, as coleções de Henri Rouart, Ernest Chausson e Henry
Lerolle, com obras-primas de Corot, Bonnard, Degas, Denis,
Renoir, Vuillard, Moreau, Monet, etc, reuniam o melhor da
pintura francesa da segunda metade do século XIX.

“Lerolle … avait de l´aisance, recevait bien, s´exprimait
lentement, mais avec esprit; il possédait une rosserie calme
d´apparence candide, qui à bien considérer, était
intentionnelle.[…] Il ajouta plusieurs des oeuvres
maîtresses de son ami Degas à sa collection de Renoir, de
Corot et d´impressionnistes”. (Souvenances, Mémoires de
Philippe Besnard, apud Wikipedia).

Ambientado na igreja de Saint-François Xavier, o monumental
“Um ensaio no balcão do coro”, a obra mais conhecida de
Lerolle, é um retrato de grupo do mais íntimo mundo do
artista. Atrás de Chausson, vê-se a esposa de Lerolle,
Madeleine Escudier. O próprio Lerolle retrata-se de
perfil. Ao centro, a cantora é uma das filhas de Lerolle.

Nesta, a vontade de emular Seurat é evidente, mas o
enquadramento radicalmente descentrado é inspirado em Degas
e a atmosfera geral, densa de intimismo, deve muito ao “Un
coin de table” de Henri Fantin-Latour, de 1872.

Magnífico, o contraste entre a cena confidencial do balcão,
envolta em penumbra, e o branco de leite das arcadas da
igreja, que traduz em vibração luminosa a reverberação da
voz feminina acompanhada pelo órgão.

A obra foi exibida no Salon de 1885 e no ano seguinte, com
grande sucesso, em New York, na primeira grande exposição
Impressionista dos Estados Unidos, sendo adquirida pelo
banqueiro George I. Seney (1826-1893) que a doou em 1887 ao
Metropolitan Museum.

Comentando a exposição de New York, um crítico escreveu:

“thousands will remember The Organ Rehearsal (…)
Spectators often spoke low before it, as if waiting for the
organ to play and the voice of the singer to be heard.”

Luiz Marques
3/X/2013

Artista

LEROLLE, Henry

Data

1885

Local

New York, The Metropolitan Museum of Art

Medidas

237 x 363 cm

Técnica

Óleo sobre tela

Suporte

Pintura

Tema

Alegorias e Temas Artísticos Morais e Psicológicos

Período

50 - SÉCULO XIX

Index Iconografico

1163 - O Músico e a cena musical; 1164 - O Concerto

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *