Retrato do Conde Fortunato Martinengo Cesaresco

Registro inventarial: inv. n. 299

O comitente faz-se retratar com a cabeça apoiada na mão, em um posição convencionalmente entendida como a do melancólico (typus melancholicus), disposição de espírito sublinhada pela inscrição em grego que se lê na aba de sua boina:

“Ah, infelizmente, desejo demais”
(iou lian potho)

Pouco se sabe sobre a proveniência desta obra-prima de Moretto (1498-1554) e de toda a retratística lombarda do século XVI, cuja primeira provável menção (Brognoli, em 1826) a situa na coleção Lechi de Brescia, de onde ela passa em 1858 para as coleções da National Gallery de Londres.

A radiografia do quadro mostra que havia livros abertos sobre a mesa do retratado. É possível que Moretto deixasse entrever quais eram seus autores, prática não-incomum na retratística desses anos (veja-se o retrato de Ugolino Martelli* por Bronzino), com evidente alusão ao ideário do comitente.

Este mostra-se em todo o seu spleen, na melhor tradição de certa retratística veneziana, de Giorgione a Lotto, muito atenta à aria, aos affetti e à intensidade do olhar, vale dizer, à disposição anímica dos retratados.

Esta finura de percepção psicológica rivaliza, por outro lado, com outro foco do retrato: a profusão estonteante de texturas diversas (ouro, pluma de avestruz, pele, sedas, lãs, veludos…). O retratado é enquadrado por um cortinado adornado com brocados de ouro e granadas, e abrigado em sedas negras e verdes com bordados dourados e em uma pele extravagantemente suntuosa (uma pele muito similar vê-se no Retrato do Cardeal Gian Gerolamo Albani*, executado por Moroni por volta de 1570, hoje em Milão, coleção privada).

A identificação do retratado com “um nobre italiano da família Martinengo Cesaresco” estava presente desde a entrada da obra na National Gallery. Embora Gombosi conheça e descarte a hipótese, há argumentos convincentes para identificar o retratado com um membro desta família, uma das mais aristocráticas de Brescia, radicada nesta cidade desde finais do século XI, mas conservando o nome de seu castrum bergamasco.

A tradicional identificação com o Conde Giorgio Martinengo Cesaresco, dito Sciarra, “il superbo italiano”, pagem de Henrique II, rei de França, sendo por ele nomeado aos 18 anos Chevalier de Saint Michel, foi descartada por ser este demasiado jovem nos anos em que este retrato foi verossimilmente executado.

Mais recentemente, Boselli (1978) propôs o nome de outro membro da família, o Conde Fortunato Martinengo Cesaresco, nascido em 1512. Em 1542, o conde desposa Livia d´Arco e o retrato teria sido pintado por ocasião de seu noivado.

O comitente era amigo do grande erudito bresciano, Jacopo Bonfadio, testemunha de seu casamento, além de correspondente de personagens da estatura intelectual de Ludovico Dolce e Pietro Aretino.

Sobre a mesa, vêem-se um par de luvas, algumas moedas e o que parece ser um tinteiro em forma de um pé com sandália, atributos que reforçam a fidalguia do comitente, ao mesmo tempo em que sublinham sua erudição antiquária.

Curiosamente, ele está de pé, embora sua relação com o nível da mesa indique a posição sentada. Há uma cópia antiga da obra no Palácio Martinengo, em Salò (Garda).

Luiz Marques
30/12/2010

Bibliografia
1943 – G. Gombosi, Moretto da Brescia. Basileia, Holbein Verlag, p. 105
1975 – C. Gould, National Gallery Catalogues. The Sixteenth Century Italian Schools. Londres, 1987, p. 156
1978 – C. Boselli, “Noterella morettiana: il presunto Sciarra Martinengo di Londra e la sua datazione”. Arte Lombarda, 49, pp. 83-84.
1988 – P.V. Begni Redona (org.), Alessandro Bonvicino, il Moretto da Brescia. Catálogo da exposição, Brescia.
1995 – F. Menant, “Les modes de dénomination de l´aristocratie italienne aux XIe et XIIe siècles : premières réflexions à partir d´exemples lombards”. Mélanges de l´École Française de Rome, 107,2, p. 538.
2006 – V. Guazzoni, in N. Spinosa, Tiziano e il ritratto di corte da Raffaello ai Carracci. Catálogo da exposição, Nápoles, Electa, p. 268

Artista

MORETTO da Brescia

Data

1542c.

Local

Londres, National Gallery

Medidas

113 x 94 cm

Técnica

Óleo sobre tela

Suporte

Pintura

Tema

A Figura Humana Retratos e Caricaturas

Período

36 - SÉCULO XVI

Index Iconografico

1700C - Retratos Pintura; 1700C1 - Retratos Contemporâneos

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *