O Passeio Público de outrora e o de hoje

“A construção do Passeio Público na cidade do Rio de Janeiro foi iniciada em 1779, com projeto do escultor e arquiteto Valentim da Fonseca e Silva, conhecido como Mestre Valentim. O parque mais antigo do Brasil possuía um projeto de inspiração francesa que incluía chafarizes, pirâmides de pedra e várias esculturas nos jardins de linhas ortogonais. Os pavilhões foram decorados com obras do pintor Leandro Joaquim. Bastante degradado na década de 1860, foi objeto de uma reforma paisagística empreendida pelo francês Auguste François Marie Glaziou, a partir de 1861.

Residindo no Rio de Janeiro desde 1858, chamado por Victor Frond para redigir o livro “”Brasil Pitoresco”” (1859-1861), o escritor Charles Ribeyrolles comentou sobre o local, o primeiro jardim público do Rio de Janeiro :

“”É um jardim mal cuidado, quase sem arte, sem cultura. Tem realmente árvores soberbas como pinheiros, bombax e algumas palmeiras de coifa aberta em leque. Ali há frescura, flores e sombra. E como última aléia, um magnífico terraço de pedra que defronta a entrada da baía.“”

As litografias de Fleuiss foram publicadas com dois pequenos textos na Revista Semana Illustrada em 19/10/1862. Na charge ele apresenta uma crítica à destruição da flora do local, por ocasião da remodelação efetuada por Glaziou. O jardim afrancesado projetado por Mestre Valentim foi reformado pelo paisagista, que procurou criar um jardim inglês, com uma cascata artificial e alamedas sinuosas, em oposição às linhas ortogonais do projeto original.

Maria Antonia Couto da Silva
10/09/2010

Bibliografia

RIBEYROLLES, Charles. Brasil Pitoresco. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1980.

Artista

FLEIUSS, Henrique

Data

1862c.

Local

Rio de Janeiro, Col. Gilberto Ferrez

Medidas

22,4 x 17,3 cm

Técnica

Litografia

Suporte

Pintura

Tema

Vida Social e Gênero

Período

O SÉCULO XIX NA AMÉRICA HISPÂNICA E NO BRASIL (A PARTIR DE 1822)

Index Iconografico

A Cidade; O Lazer Urbano; 1603 - Paisagem urbana; 1604 - Paisagem devastada; 1343 - Reformas urbanas; 1328 - A Imprensa e a Charge; 1470 - O Político e a sátira política

Autor

Maria Antonia Couto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *