O Casamento desigual

Registro inventarial: inv. 652

O tema pertence à iconografia do Ill-Matched Pair ou
Ill-Assorted Lovers, ou ainda, em italiano, do
Sposalizio Grottesco, muito difundida na pintura
nórdica dos séculos XV e XVI, mas também na pintura e
gravura italianas até o século XVII, como mostra o
repertório de A. Pigler, Barockthemen [1956,II,544].

Trata-se de uma cena festiva de um casamento entre duas
pessoas de idades muito diferentes – no caso uma velha e um
jovem -, união baseada no interesse da pessoa mais jovem
pelo dinheiro da mais velha.

Embora remontando a uma tradição medieval, que por sua vez
retoma um topos da comédia antiga, o tema ganha evidência na
literatura nórdica de conotação satírica, cuja expressão
maior é o célebre poema intitulado “A Nau dos Insensatos”
(Das Narrenschiff) de Sebastian Brant, publicado em
1494.

Em seu capítulo 52 (Wibe durch gutz wille), Brant
trata de uma das figuras da loucura, o “Casamento por
vontade de bens”. O tema reaparece pleno de humor em Erasmo
de Rotterdam, em seu Elogio da Loucura (Stultitia
laus
, Antuérpia, 1512) e em especial no capítulo 31, no
qual uma extraordinária passagem bem pode ser uma fonte
literária precisa para obras desta temática:

“Mas o mais charmoso é ver velhas, tão velhas, tão
cadavéricas que parecem retornar dos Infernos, repetir
constantemente: ´A vida é bela!´ Elas são quentes como
cadelas ou, como dizem, prazenteiros, os gregos, cheiram a
bode. Elas seduzem a preço de ouro algum jovem Pavão (…).
Todo o mundo escarnece delas e as chamam do que são,
arquiloucas”, etc.

Outras possíveis fontes literárias do tema são discutidas
por Silver [1974:115-117] que nomeia em especial uma
coletânea de poemas deste gênero publicada em 1530 pelo
pintor e editor Jan van Doesborch, colega de Metsys na
guilda de São Lucas em Antuérpia.

O tema foi igualmente popularizado na gravura alemã do
século XV, como se depreende de duas gravuras do Mestre do
Livro de Casa (Hausbuchmeister, ativo entre 1465 e 1500 e
considerado o inventor da técnica da ponta-seca), copiadas
por Israhel van Meckenen (Bartsch VI, 266, n. 169 e n. 170),
que certamente influenciaram Dürer (Bartsch 93), Cranach,
além de alguns mestres flamengos da geração sucessiva,
dentre os quais Metsys.

Metsys aborda o tema em uma obra bem conhecida, conservada
na National Gallery de Washington, geralmente datada de
1522-1523, isto é, da última atividade do artista. Em 1974,
Silver recapitula as hipóteses avançadas na historiografia,
desde Baldass e Friedländer, sobre a influência de Leonardo
sobre Metsys. Outros autores, não diretamente interessados
na obra de Washington, como Bautier [1975:187], sublinharam
igualmente esta influência.

Quando ainda na coleção Thyssen-Bornemisza, a obra do Museu
de São Paulo foi publicada como uma “réplica” de Metsys por
Friedländer (1947, p. 115). Uma segunda versão da mesma
composição, conservada na coleção C.Y. Pallitz em Nova York,
de dimensões similares (56 x 84 cm.), foi publicada por
Larsen (1950, p. 171), igualmente como obra de Metsys.

Em 1974 (p. 109, fig. 9) e novamente em 1984 (fig. 134),
Silver republica a versão do Masp, ignorando sua atual
localização, justamente como obra de um seguidor de Metsys,
intitulando-a em 1984 Ill-Matched Pair and Merry
Company
. O autor reconhece desde então os dois modelos
leonardianos curiosamente articulados na obra em questão que
se revela ser, assim, uma montagem de duas idéias
independentes de Leonardo da Vinci.

O casal ao centro da composição deriva de um desenho perdido
de Leonardo, conhecido apenas por uma gravura de 1620c.,
atribuída a Jacob Hoefnagel (1575-1630c.). A gravura
testemunha o interesse de Leonardo pela iconografia do
Casamento desigual, interesse provavelmente relacionado ao
seu conhecimento da pintura e gravura nórdicas, traduzidas
para a linguagem de seu próprio universo de especulações
fisiognomônicas.

Quatro das seis figuras que rodeiam o casal derivam de outro
e mais célebre desenho de Leonardo conservado em Windsor,
chamado Cinco cabeças disformes (inv. 12495r.). Intensamente
estudado pela literatura leonardiana desde Mariette, este
desenho foi ainda recentemente rediscutido por Caroli (1990,
p. 70) e por Cagliati.

Luiz Marques
09/02/2011

Bibliografia:
1974 – L. A. Silver, “The Ill-Matched Pair by Quinten
Massys”. Studies in the History of Art. National Gallery of
Art. Wasshington, vol. 6, pp. 105-123.
1998 – L. Marques (org.), Catálogo do Museu de Arte de São
Paulo. 4 volumes, vol. II, p. 88.

Artista

METSYS, Quentin

Data

1525/ 1530c.

Local

São Paulo, Museu de Arte de São Paulo

Medidas

54 x 89 cm

Técnica

Óleo sobre madeira

Suporte

Pintura

Tema

Vida Social e Gênero

Período

36 - SÉCULO XVI

Index Iconografico

1384 - O Erotismo; 1387 - O Casamento desigual

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *