Grande relevo de Eleusis com Deméter, Perséfone e Triptolemo (?)

Registro inventarial: inv. 126

Encontrado em Eleusis em 1859, sob as ruínas da igreja de S. Zacarias, e talvez originariamente no interior do Telesterion de Eleusis (o muro iniciático dos cultos eleusinos a Deméter), este relevo votivo representa duas figuras fundamentais dos cultos de Eleusis: Deméter e Perséfone.

A figura central masculina de um jovem nu em perfil voltado para Deméter é de identificação problemática, aberta que é a quatro possibilidades. A mais antiga nela vê Triptolemo, filho de Metanira e Céleos, rei de Eleusis, e assim a identifica Kaltsas (2002) no catálogo do Museu Nacional de Atenas.

Clinton (1992) sustenta que se trata de Pluto, filho de Deméter e de Iasion (Hesíodo, Theogonia, 969), e figura frequente no cortejo da deusa, entregando à mãe uma espiga de trigo, e não dela a recebendo.

Uma terceira possibilidade foi avançada por Simon (1998), para quem o relevo representaria Demofon, irmão mais novo de Triptolemo que Deméter, travestida em uma velha serva, educa e tenta em vão tornar imortal (Hino homérico a Deméter). Enfim, segundo Evelyn B. Harrison (2000), a identificação mais verossímil recairia sobre o filho de Poseidon, Eumolpos, representado no momento de sua chegada a Eleusis, cujos cultos ele iria instituir.

Endossando um peplos, Deméter segura seu cetro com a mão esquerda e, com a direita, ofereceria a espiga de trigo, pintada ou feita originalmente de ouro (?), provavelmente ao jovem Triptolemo, para que este a difunda pela Terra, ensinando a humanidade a cultivar o grão. Segundo Harrison, tratar-se-ia, na realidade, de uma tainia (uma fita) representada em pintura, observando que não há marca no mármore para a inserção do pino que fixaria uma peça de metal.

À direita, Perséfone surge como a figura mais elegante da obra e, sem dúvida, mais próxima dos relevos fidianos do frisa do Parthenon (442-438 a.C.), um forte argumento para a datação do presente relevo nestes mesmos anos.

Seus cabelos são ondulados mais finamente que os das duas figuras. Recolhidos em um coque, eles são envoltos em uma rede, um saccos, formando um gracioso penteado de uma Koré, que deixa descoberto sua orelha e realça a diagonal de sua nuca. É notável o contraste com o penteado de aspecto mais matronal de sua mãe, cuja austeridade lembra ainda o de uma mater dolorosa. Ross Holloway sublinha como tal penteado não é uma sobrevivência arcaica, mas a reprodução de uma concepção tradicional da deusa em luto (the reproduction of a traditional conception of the mourning goddess).

Também as vestes de Perséfone – um chiton e um himation – são mais ligeiras e mais joviais. Ela segura uma longa tocha com a esquerda, alusiva aos ritos eleusinos, enquanto abençoa com a mão direita a cabeça do rapaz.

Dadas suas enormes dimensões e a seu conteúdo impessoal, este relevo poderia não representar uma estela votiva, mas, como sugere Kaltsas (2002), um relevo de culto, de resto suficientemente famoso na Antiguidade para ser copiado. Uma cópia romana encontra-se no Metropolitan Museum de Nova York.

Luiz Marques
26/06/2011

Bibliografia:
1958 – R. Ross Holloway, “The date of the Eleusis relief”. American Journal of Archaeology, 62, 4, pp. 403-408.
1992 – K. Clinton, Myth and Cult. The iconography of Eleusinian Mysteries, Stockholm: Svenska Institutet i Athenpp, pp. 38-55.
1998 – E. Simon, “Neues zum grossen Relief von Eleusis”. Archäologisher Anzeiger, pp. 373-387.
2000 – E. B. Harrison, “Eumolpos Arrives in Eleusis”. Hesperia: The Journal of the American School of Classical Studies at Athens, 69, 3, pp. 267-291.
2002 – N. Kaltsas, Sculpture in the National Archaelogical Museum, Athens. Los Angeles: The J. Paul Getty Museum, p. 100.

Artista

Arte da Ática

Data

-440/ 430 a.C.

Local

Atenas, Museu Arqueológico Nacional

Medidas

220 x 152 cm

Técnica

Mármore pentélico

Suporte

Escultura

Tema

Mitologia, História e Topografia Antigas

Período

ARTE GRECO-ROMANA

Index Iconografico

12Dem - Deméter; 12Dem1 - Deméter, Triptolemo e os mistérios de Eleusis; 12Dem4 - Pluto; 430 - Iconografia funerária antiga; 434 - Estelas

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *