Ascensão de S. João Evangelista

A fonte desta cena, pouco representada antes de Giotto, é a Legenda aurea de Jacopo de Varazze, escrita por volta de 1280:

“Isidoro [de Sevilha] conta que no ano 67 da Paixão o Senhor apareceu com seus discípulos a João, então com 98 anos de idade, e disse-lhe: ´Vem comigo, meu bem-amado, é hora de sentar-se à minha mesa com seus irmãos´. João levantou-se para ir, mas o Senhor disse: ´Você virá para junto de mim domingo´. Chegado o domingo, desde muito cedo, na hora que o galo canta, o povo reuniu-se na igreja que fora dedicada ao apóstolo. Este começou sua prédica exortando o cumprimento dos mandamentos de Deus. Terminado o sermão, mandou que se cavasse sua sepultura perto do altar e que se pusesse a terra fora da igreja. Ele então entrou na cova, deitou-se, levantou as mãos para o alto e orou: ´Senhor Jesus Cristo, você me convidou a sentar à sua mesa e para lá vou, agradecido, pois sempre desejei de todo coração estar contigo´. Imediatamente a cova foi tomada por uma luz muito intensa, a cujo resplendor ninguém resistia. Quando a luz desapareceu, encontraram a cova coberta por uma areia fina, semelhante à que se encontra no fundo de certas fontes, e até hoje ela cobre a sepultura, como se jorrasse do fundo dela”.

Dentro du uma “caixa prospética” muito dilatada e vista em diagonal – o templo dedicado a João -, Giotto representa o Evangelista já suspenso no ar, arrebatado de sua cova por Cristo, enquanto as testemunhas assistem extasiadas ao prodígio.

A composição é uma das mais monumentais de quantas imaginadas por Giotto, mas ao mesmo tempo põe em cena um instante de pura ação, que provoca, no grupo à esquerda, o esplêndido alçar-se progressivo de seus torsos. Este grupo suscitou a admiração de Michelangelo, que a estudou em um desenho a pena*, conservado no Louvre (inv. 706).

O tema da ascensão de João foi muito apreciado sucessivamente. A ele retorna Giovanni da Biondo em um retábulo hoje nos Uffizi. Entre 1435 e 1444, Donatello executa um estuque com o mesmo tema num dos oculi da Sacristia Velha na basílica florentina de S. Lorenzo.

O momento mais grandioso desta iconografia é sem dúvida a decoração a afresco por Correggio da abóbada da igreja de S. Giovanni Evangelista. Mas também Michelangelo entendia pintar um afresco de mesmo tema na lanterna da Sacristia Nova de S. Lorenzo, provavelmente a partir de um de seus desenhos do rapto de Ganimedes.

Luiz Marques
13/01/2011

Artista

Giotto di Bondone

Data

1310c. / 1320c.

Local

Florença, Santa Croce, Capela Peruzzi

Medidas

280 x 450 cm

Técnica

Afresco

Suporte

Pintura

Tema

Bíblia e Cristianismo

Período

OCIDENTE MEDIEVAL

Index Iconografico

687 - S. João Evangelista; 687B - Morte e Ascensão de S. João Evangelista

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *