Sumaúma em meio à Floresta Virgem

Nessa fotografia, Frisch registrou uma sumaúma em meio à floresta virgem. A maior árvore das florestas tropicais, (chega a 50 metros de altura) com raízes enormes, serve de ponto de referência para os barqueiros no Amazonas.

Encontrada nas matas de várzea e áreas periodicamente alagadas, apresenta raízes tabulares, as sapopemas, que podem atingir, dependendo da idade, comprimentos superiores a 7 metros. Árvore sagrada para os maias, foi mencionada em várias lendas indígenas da Amazônia como a “mãe da floresta” e a “mãe dos rios”. Para os índios ticuna, a sumaúma remete à formação da Amazônia, com seus rios e igarapés.

Pouco se sabe sobre Albert Frisch, que percorreu a região do Alto Amazonas por volta de 1865, em companhia do fotógrafo Franz Keller-Leuzinger. Ele foi o primeiro a documentar os costumes indígenas e a flora local, associando arte e ilustração científica.

O fotógrafo cedeu à Casa Leuzinger os direitos de comercialização desse material, amplamente divulgado em sua época. O conjunto de imagens recebeu menção honrosa na Exposição Universal de Paris realizada em 1867.

A floresta foi um tema importante na arte do Brasil do período, presente em obras do conde de Clarac e de Félix Taunay, entre outros. As litografias a partir de fotografias de Victor Frond, que registrou a floresta virgem em 1858, causaram impacto, conforme demonstram as críticas publicadas nos jornais da época.

O registro fotográfico era um trabalho cuidadoso, devido à técnica da época. A fotografia de Frisch demonstra grande qualidade técnica, pela nitidez e harmonia presentes na imagem, revelando um olhar atento à natureza brasileira.

Alguns estudiosos acreditam que Frisch tenha integrado uma das diversas expedições estrangeiras que percorreram o Brasil durante o século dezenove, catalogando e estudando com o mesmo interesse os tipos humanos e espécies da fauna e da flora.

Maria Antonia Couto
11/02/2011

Bibliografia:
1995 – P. Vasquez. Mestres da fotografia no Brasil: Coleção Gilberto Ferrez. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil.
1997 – O livro das árvores. Org. J. G.Gruber. Benjamim Constant: Organização Geral dos Professores Ticuna Bilíngües.
2008 – Almanaque Brasil socioambiental. Brasília: Ministério da Cultura: Instituto Socioambiental, p. 252.

Artista

FRISCH, Albert

Data

1865c.

Local

Rio de Janeiro, Museu de Arte Moderna

Medidas

desconhecidas

Técnica

Fotografia

Suporte

Pintura

Tema

Natureza Paisagem e Arcádia

Período

O SÉCULO XX NA AMÉRICA HISPÂNICA E NO BRASIL

Index Iconografico

1600 - Paisagem; 1200Bot - Botânica

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *