Retrato de Catão de Útica

“Marcos Pórcio Catão, chamado Catão de Útica (Roma 95 – Útica, 46 a.C.) foi modelo de severidade moral e personagem chave da crise da República. Como tribuno designado em 63, no Consulado de Cícero, foi terrível na repressão a Catilina e a seus asseclas, iniciando-se aí seu antagonismo com César, descrito por Salústio (Conjuração de Catilina LIV) em uma síncrise exemplar, isto é, um duplo retrato em contraposto:

Pois foram eles aproximadamente iguais em nascimento, idade e eloqüência, idênticos em magnitude de alma, como em glória, mas diferentemente. César foi magno pela munificência e pelos serviços prestados; Catão, pela integridade da vida. Aquele notabilizou-se pela mansidão e pela misericórdia; a severidade para este acrescentara-lhe dignidade. César, dando, sublevando, perdoando, adquiriu glória; Catão, nada prodigalizando. Um era o refúgio dos miseráveis; outro, a implacabilidade contra todo mal. Daquele, a acessibilidade; deste, a inflexibilidade era de se laudar. Enfim, César induzia a trabalhar, a vigiar, atento às questões dos amigos, a ponto de negligenciar suas próprias e a nada negar que digno fosse de dom. Preferia para si o magno comando, o exército, uma nova guerra, onde a virtude pudesse brilhar. Para Catão, ao contrário, contava a aplicação à modéstia, ao decoro, mas sobretudo à severidade. Não lutava com os ricos por riqueza, nem por espírito de facção com os facciosos, mas com o estrênuo, na virtude, com o modesto, no pudor, e com o inocente, na abstinência. Preferia ser, mais que parecer, bom. Assim, quanto menos procurava glória, mais esta, por isso mesmo, o perseguia.

Encontrado em Volubilis, casa do mosaico de Vênus, este retrato foi executado possivelmente um século após sua morte, talvez por encomenda de alguém dos círculos opositores a Nero.

A retratística antiga de Catão é rara. Além desse busto, conserva-se um retrato duplo em mármore de Catão e de sua filha, Pórcia, nos Musei Vaticani (Foto Anderson 1333). Plutarco (Cato Minor 71) narra que Catão possuía uma sua escultura de corpo inteiro, e Plínio o Jovem (Ep I,17) refere-se à existência de um retrato do Uticense, ao lado de Bruto e Cássio, na casa de Titínio Cápito.

Luiz Marques
10/02/2010

Bibliografia:
1991 – C. Boube-Piccot (col.), Il Marocco e Roma. I grandi bronzi del museo di Rabat. Catálogo da exposição, Roma, Palazzo dei Conservatori, p. 54

Artista

Arte Romana

Data

54/ 68? Principado de Nero

Local

Rabat (Marrocos), Museu arqueológico

Medidas

50 cm

Técnica

Bronze

Suporte

Escultura

Tema

A Figura Humana Retratos e Caricaturas

Período

ARTE GRECO-ROMANA

Index Iconografico

354 - Catão de Útica

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *