Luís, o Pio ou o Bondoso (Louis, le Pieux ou le Débonnaire)

A figura representa Louis, le Pieux ou le Débonnaire (778/814 – 840), filho e sucessor de Carlos Magno. Ela ilustra o fólio 4v. do De Laudibus Sancta Crucis de Raban Maur (776-856).

Trata-se do primeiro exemplo de um texto do assim chamado “renascimento carolíngio” ornado de iluminuras, e o primeiro retrato de um imperador carolíngio em um livro.

A postura do imperador é tardo antiga e remete às estátuas colossais de Constantino ou à colossal estátua brônzea de mais de cinco metros de altura de um imperador* não identificado encontrada no mar, perto do porto de Barletta (Apúlia) em 1309 e hoje conservada em Barletta, diante da igreja do Santo Sepulcro.

Tardo-antiga é também, nesta iluminura, a prática dos carmina figurata (poesias figuradas), muito apreciada desde ao menos Optatianus Porphyrius, poeta da corte de Constantino. Aqui, por exemplo, as palavras formadas pelas letras da auréola do imperador formam:

Ludovicum Christe coronatur
(Ludovico coroado por Cristo)

e as que se inserem na cruz dizem:

“A Vitória e a Salvação verdadeiras do Rei estão justamente contidas em Tua Cruz, Cristo”

Luiz Marques
04/07/2010

Bibliografia
1977 – F. Mütherich, J. E. Gaehde, Peinture carolingienne, New York, George Braziller

Artista

Anônimo

Data

820/ 0840c.

Local

Vaticano, Biblioteca Apostolica Vaticana

Medidas

desconhecidas

Técnica

Têmpera sobre pergaminho

Suporte

Pintura

Tema

A Figura Humana Retratos e Caricaturas

Período

OCIDENTE MEDIEVAL

Index Iconografico

856 - Carlos Magno, o Império e o legado carolíngio; 1700C1 - Retratos contemporâneos

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *