Divina inspiração da música

Sentadas na ponta de uma mesa sobre a qual se vê uma
espetacular natureza morta de instrumentos musicais, a
figura alegórica da Poesia, coroada de louros, aponta para
cima, indicando à sua companheira, a Música, que se apresta
a executar uma peça para violino, a fonte divina de sua
inspiração.

Se o título da obra – Divina inspiração da música – remontar
à época mesma da obra, poder-se-ia talvez relacioná-lo com
as teorias teológicas da perfeição da forma trinitária
defendidas por Johannes Lippius (1585-1612) em seu
Synopsis musicae novae (1612). A Lippius se atribuía
então o conceito de “Divina Harmonia” em âmbito musical
(Raasveld).

Se o título for, por outro lado, recente, nem por isso será
ele inverossímil, já que o gesto caracteristicamente
“platônico” da figura da Poesia alude a códigos figurativos
claramente discerníveis, da “Escola de Atenas” de Rafael
(1508) à “Queda do Maná” de Nicolas Poussin, de 1639, onde o
gesto de Moisés possui um significado similar.

Não parece, contudo, recorrente na pintura veneziana de
meados do século XVII uma pintura de temática musical tão
impregnada de conceitos deste tipo e se pode supor que a
obra se origine de uma encomenda singularmente
intelectualizada.

Após uma longa estada em Roma, Nicolas Régnier (Mauberge,
1590 – Veneza, 1667) fixa-se em Veneza em 1625, onde se
aclimata perfeitamente e se torna pintor celebrado, sendo
acolhido como Nicolò Renieri entre os pintores venezianos na
curiosa obra em versos de Marco Boschini, a Carta del
navegar pitoresco
, de 1660.

Nesta, Boschini assim se refere ao train de vie
senhoril do pintor francês:

Oh el Renieri è de cima e l´è galante!

Não é surpreendente, assim, que na presente obra o pintor
aborde o tema do Concerto sem concessões ao caravaggismo de
seus anos romanos ou a qualquer forma de naturalismo dos
assim chamados “pintores da realidade” do Seiscentos.

Luiz Marques
16/11/2011

Bibliografia:
1994 – P.P. Raasveld, “Omne Trinum Perfectum: Theories of
Music as a Conception of Divine Hamonie”. In, J. Manning
(ed.), Aspects of Renaissance and Baroque Symbol Theory. AMS
Studies in the Emblem. New York.
1987 – S. Schaeffer, P. Fusco, European Painting and
Sculpture in the Los Angeles County Museum. Los Angeles, p.
81.
1997 – A. Lemoine, “Nicolas Régnier et son entourage:
nouvelles propositions biographiques”. Revue de l´Art, 117,
pp. 54-63.
2000 – L. Marques, in S. Ferino-Pagden, L. Marques,
Dipingere la Musica. Strumenti in posa nell´arte del Cinque
e Seicento. Catálogo da exposição, Cremona, p. 156

Artista

RÉGNIER, Nicolas

Data

1640c.

Local

Los Angeles County Museum

Medidas

120 x 198 cm

Técnica

Óleo sobre tela

Suporte

Pintura

Tema

Alegorias e Temas Artísticos Morais e Psicológicos

Período

SÉCULO XVII

Index Iconografico

36C1162 - A MÚSICA FORA DO CONTEXTO DAS ARTES LIBERAIS

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *