Dom Quixote e a mula morta

Daumier foi um apaixonado por Dom Quixote. O livro de Cervantes inspirou-o em diversas obras, dentre as quais este Dom Quixote e a mula morta, de 1867, hoje no museu d´Orsay.

A tela foi uma encomenda do pintor Charles-François Daubigny para a sua casa, em Auvers-sur-Oise. Trata-se, portanto, de uma obra combinada entre artistas, o que pode justificar certo caráter experimental, algo de japonista nas pinceladas grossas e enérgicas sobre a superfície alongada e vertical do quadro.

Afora a qualidade pictórica, chama a atenção a escolha dessa passagem do romance, que não parece ter sido retratada por artistas anteriores ou contemporâneos de Daumier.

O pintor, por sua vez, representou a mesma cena em pelo menos mais duas pinturas e dois desenhos. A passagem, quase insignificante em Dom Quixote, está no capítulo XXIII do primeiro volume: a mula foi encontrada “num arroio, caída morta, meio comida pelos cães e picada pelos corvos, uma mula encilhada e enfreada”.

Daumier contrariou, de certo modo, a breve descrição de Cervantes, representando a mula quase agonizante. Sua silhueta em primeiro plano tem grande força e nitidez, enquanto ao fundo os traços são mais diáfanos, criando uma admirável profundidade. Apenas um elemento, além da mula, possui contornos mais precisos: é a cabeça do animal montado por Sancho Pança – o jumento -, a mais compadecida das personagens do quadro.

Alexander Miyoshi
10/02/2011

Bibliografia:
1605 – Miguel de Cervantes y Saavedra, Dom Quixote. Tradução de Almir de Andrade e Milton Amado. Rio de Janeiro/ São Paulo: Ediouro / Publifolha, 1998, vol. 1, pp. 225-226.
1949 – L. Venturi, Pittori moderni. Firenze: Edizioni, p. 122.
1961 – A. Scharf, “Daumier the Painter”. In The Burlington Magazine, Vol. 103, No. 701, p. 359.
1996 – B. Laughton, “Daumier´s Drawings of Don Quixote”. French Drawing from the Sixteenth to the Nineteenth Century. Master Drawings, 34, 4, pp. 400-413.
2002 – P. Kaenel, “Don Quichotte, Daumier et la légende de l´artiste”. Artibus et Historiae, 23, 46, pp. 163-177.
2005 – A. Ragazzi, “Daumier e o silêncio de Baudelaire”. Revista Letras, 66. Curitiba: Editora UFPR, p. 73.

Artista

DAUMIER, Honoré

Data

1867

Local

Paris, Musée d'Orsay

Medidas

132,5 x 54,5 cm

Técnica

Óleo sobre tela

Suporte

Pintura

Tema

Literatura Medieval Moderna e Contemporânea

Período

50 - SÉCULO XIX

Index Iconografico

1000Cerv - Miguel de Cervantes; 1000CerQ - Dom Quixote

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *