Capela Peruzzi em Santa Croce, Florença

“Em 1299, Donato di Arnoldo Peruzzi, patriarca de uma família de banqueiros florentinos, deixa fundos em seu testamento para uma Capela familiar no transepto da igreja de Santa Croce, a qual devia ser completada em menos de dez anos.

Seu neto, Giovanni di Rinieri Peruzzi, encarregar-se-á da construção e da decoração desta Capela, a segunda à direita a partir do altar, iluminada por uma janela em bífora, decorada com vitrais.

Os afrescos que a decoram são unanimemente atribuídos a Giotto di Bondone (1266-1337). Já Lorenzo Ghiberti, nos I Commentarii (1446-1447) refere-se à intensa atividade do artista na igreja franciscana de Florença:

Nell´ordine de´ frati minori [dipinse] quattro cappelle e quattro tavole.

“”Na igreja da ordem dos frades menores [pintou] quatro capelas e quatro quadros””.

Não há mais vestígios dos afrescos giotttescos das Capelas Tosinghi-Spinelli e Giugni, enquanto em outras duas capelas – Bardi e Peruzzi – eles se conservaram, ainda que, sobretudo na Capela Peruzzi, em muito mau estado de conservação, devido ao fato das pinturas serem em muitas partes pintadas a secco.

Também Giorgio Vasari (1550 e 1568), refere-se à atividade de Giotto nas quatro capelas de Santa Croce. Acerca da Capela Peruzzi, escreve:

“”Na outra [Capela], da família dos Peruzzi, há duas histórias da vida de S. João Batista, a quem é dedicada a capela, onde se vê muito vividamente o bailar e saltar de Herodíade e a prontidão de alguns serventes ao servir à mesa. Na mesma capela há duas histórias de S. João Evangelista, maravilhosas, representando quando ressuscita Drusiana e quando é arrebatado ao céu””.

A execução na Capela Peruzzi de pinturas murais em que se conjuga afresco e têmpera não é prática habitual em Giotto, considerado por Cennino Cennini como modelar na observância do afresco “”legítimo””.

Poder-se-ia explicá-la seja pela urgência em se cumprir o prazo de dez anos imposto pelo testamento de Donato Peruzzi, seja pelo acúmulo de encomendas a que Giotto estava sujeito, seja, enfim, porque – é a hipótese de Giovanni Previtali [1967/1974:107] – Giovanni Peruzzi desejava-a pronta por ocasião da visita a Florença em 1310 de Roberto d´Anjou, rei de Nápoles, que se hospedou em sua casa.

Os afrescos foram recobertos em data ignorada e descobertos em 1841. O radical restauro realizado em 1959-1961 por L. Tintori, sob a direção de U. Procacci e E. Borsook, ao remover todas as repinturas, foi objeto de áspera controvérsia, e em 1967, G. Previtali escrevia: “”se quisermos imaginar um restaurador sádico (ou, simplesmente, norte-americano)””…

O ciclo Peruzzi é construído sobre o paralelismo entre as vidas de S. João Batista e S. João Evangelista, em parte decerto por causa do nome de seu comitente

Segundo a Legenda aurea de Jacopo da Varagine, em cujo texto parece se basear a iconografia destes afrescos, os dois santos tinham uma data coincidente, 24 de junho, correspondente à ascensão do Evangelista e ao nascimento do Batista. A presença de afrescos dedicados ao Batista liga-se, enfim, à particular devoção que Florença lhe dedicava.

Três cenas sobre a parede esquerda são devotadas a S. João Batista: 1. O Anúncio a Zacarias; 2. Nascimento do Batista; 3. O Festim de Herodes e a apresentação da cabeça do Batista.

Três cenas sobre a parede direita o são ao Evangelista:
1. S. João na ilha de Patmos; 2. A Ressurreição de Druisina; 3. Ascensão

A datação destes afrescos é extremamente árdua e suscitou desde sempre debates, ainda inconclusos. A proposta que parece ser a mais convincente é a de Giovanni Previtali que os data de inícios do ségundo decênio, entre 1310 e 1313, logo após os afrescos da Capela da Madalena na Basílica inferior de Assis (1308-1309).

De forma geral, sugerem-se para estes afrescos datações mais tardias, por volta dos anos em torno de 1320, isto é, em um momento imediatamente anterior aos afrescos da Capela Bardi (1320-1325).

Luiz Marques
13/01/2011

Bibliografia:
1967 – G. Previtali, Giotto e la sua bottega. Milão, Fratelli Fabbri, 1974, p. 106.
1976 – B. Cole, Giotto and Florentine Painting 1280-1375. new York, Harper e Row, p. 108
1977 – E. Baccheschi, L´Opera Completa di Giotto. Milão, Rizzoli, p. 113

Artista

Giotto di Bondone

Data

1310/ 1320c.

Local

Florença, Santa Croce, Capela Peruzzi

Medidas

desconhecidas

Técnica

Afresco

Suporte

Pintura

Tema

Bíblia e Cristianismo

Período

OCIDENTE MEDIEVAL

Index Iconografico

687 - S. João Evangelista; 602 - São João Batista, o sacerdote Zacarias e Santa Isabel

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *