Cupido adormecido

Localização inventarial: inv. n. 516

Trata-se com toda a probabilidade de uma cópia do perdido Cupido adormecido de Michelangelo, que o jovem artista esculpiu provavelmente a partir de um modelo antigo na coleção de Lorenzo de` Medici, e que se pode identificar em um desenho – o “Cupido 28” – conservado na Royal Library em Windsor Castle, inv. 8914.

A escultura é considerada em geral perdida, pois provavelmente destruída no incêndio de 1698 do palácio de Whitehall, na Inglaterra, para onde ruma em 1631, mas se conhece através de Ascanio Condivi e Giorgio Vasari, biógrafos de Michelangelo, as circunstâncias de sua criação. Vasari escreve a respeito:

[Michelangelo] Fez para Lorenzo di Pierfrancesco de´ Medici, em mármore, um S. Giovannino e em seguida, de outro mármore, pôs-se a fazer um Cupido adormecido, em tamanho natural, bela obra, apresentada por intermédio de Baldassare del Milanese a Pierfrancesco, que lhe disse, após a examinar: “Se a enterrasseis, estou certo que passaria por antiga; manda-la-ías a Roma com aparência envelhecida e ganharíeis muito mais do que se a vendesseis aqui”. Diz-se que Michelangelo então a preparou para que parecesse antiga, o que não é de admirar, pois tinha engenho para isso e mais. Segundo alguns, Milanese levou-a a Roma e enterrou-a em um vinhedo de sua propriedade para, em seguida, vendê-la como antiguidade ao cardeal de San Giorgio [Raffaele Riario], por duzentos ducados. Dizem outros que o cardeal a comprou de um agente de Milanese, que escreveu a Pierfrancesco para que fizesse dar a Michelangelo trinta escudos, que mais não obtivera pelo Cupido, enganando assim o cardeal, Pierfrancesco e Michelangelo. Mas revelado depois, por quem a havia visto, que a peça era feita em Florença, Pierfrancesco simulou que se inteirara da verdade por intermédio de um seu enviado e tanto fez, que o agente de Milanese enviou-lha de volta. Recuperado, o Cupido passou depois para as mãos do duque Valentino [César Borgia], que o deu à marquesa de Mântua [Isabella D`Este], sendo enfim levado para esta cidade, onde ainda hoje é visto. Isto não se passou sem os reclamos do cardeal S. Giorgio, incapaz de reconhecer a virtude da obra, que consiste na perfeição, pois que equivalem as modernas às antigas, quando excelentes. Maior vaidade é a dos que preferem nomes a fatos, gênero de homens que se encontra em todos os tempos e que leva mais em conta o parecer que o ser.

A atribuição desta cópia a Andrea Solario (1465c.-1524) é apenas conjectural.

Luiz Marques
09/07/2010

Artista

SOLARIO, Andrea (atr.)

Data

1500/ 1520c.

Local

Veneza, Galleria dell'Accademia

Medidas

desconhecidas

Técnica

Desenho

Suporte

Pintura

Tema

Mitologia, História e Topografia Antigas

Período

36 - SÉCULO XVI

Index Iconografico

12Cupi - Cupido Eros

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *