O Casal Arnolfini (detalhe)

(continuação do texto da imagem principal)

O detalhe mostra a parede do fundo da cena. Sobre o espelho
redondo, lê-se:

Johannes de Eyck fuit hic (Jan van Eyck esteve aqui)
e a data 1434.

A moldura do espelho comporta 10 circunferências nas quais
estão representadas cenas da Paixão e Crucificação de Jesus
Cristo, da Descida aos Infernos e de sua Ressurreição.
Refletido no espelho, vê-se o quarto em contra-campo, com o
casal de costas e, ao fundo, a figura do próprio artista em
azul, em vias de pintá-lo. De onde o duplo sentido da
assinatura: Johannes de Eyck fuit hic (Jan van Eyck
esteve aqui).

O casal era tradicionalmente identificado com Giovanni
Arrigo Arnolfini e Giovanna Cenami. Mas Lorne Campbell
(1998, p. 198) demonstrou por um documento que Giovanni
Arrigo casou-se em 1447, enquanto o quadro é de 1434.
Portanto, tratar-se-ia de outro membro dos cinco Arnolfini
então em Bruges. O mais provável seria Giovanni di Nicolao
Arnolfini, o mais velho dos irmãos e ativo em Bruges desde
1419.

Se assim for, o casal Arnolfini seria de se identificar com
Giovanni di Nicolao Arnolfini e Costanza Cavalcanti,
igualmente de origem florentina, pois, de fato, em 1426,
Giovanni casa-se com Costanza, então com 13 anos.

Mas Costanza em 1434 estava já morta, fato atestado por
outro documento: sua mãe, Bartolomea, era filha de Giovanni
di Amerigo Cavalcanti. A irmã de Bartolomea, tia de
Costanza, casara-se em 1416 com Lorenzo de´ Medici, irmão de
Cosimo il Vecchio e é por ocasião do nascimento do filho de
Cosimo, em 1433, que se sabe por uma carta de congratulações
escrita de Lucca por Bartolomea que, em 26 de fevereiro,
data da carta, Costanza havia já morrido, aos 20 anos:

solamente ne viveno due, Paulo e Johi. Morio la Costanza
e Lionardo
(somente vivem ainda dois, Paulo e Johi.
Costanza e Lionardo morreram).

A identificação do casal Arnolfini fica assim, ao menos
provisoriamente, prejudicada. Pode-se presumir que se trate
aqui de uma segunda suposta esposa de Giovanni di Nicolao
Arnolfini, tal como imagina Hall (1994). Ou pode-se cogitar
que se trate de um retrato de recordação.

Margaret L. Koster (Apollo, 2003) pensa também na
possibilidade da morte de Costanza ter ocorrido durante a
execução do retrato, hipótese reforçada pelo fato de que
signos supostamente funerários como o cachorro e o lustre
não terem desenho preparatório.

A hipótese é tanto mais interessante pelo fato que o espelho
era, originariamente, maior e octogonal. Sua transformação
em um círculo com 10 saliências ocorre provavelmente pelo
interesse em acrescentar uma nona e uma décima imagem, com
toda a probabilidade a “Descida aos Infernos” e a
“Ressurreição”, cenas que se referem a episódios de Cristo
post-mortem, perfeitamente condizentes com o retrato de uma
falecida.

Luiz Marques
10/11/2011

Artista

EYCK, Jan van

Data

1434

Local

Londres, National Gallery

Medidas

82 x 60 cm

Técnica

Óleo sobre madeira

Suporte

Pintura

Tema

Vida Social e Gênero

Período

SÉCULO XV

Index Iconografico

1700C - Retratos Pintura; 1700C1 - Retratos contemporâneos;
1700C3 - Artistas e Autorretratos; 1102Espo - Os esponsais e
ritos de matrimônio; 606E - Paixão de Jesus Cristo

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *