Cartão da Batalha de Cascina (Grupo dos Banhistas)

“A decoração do Salone dei Cinquecento* em 1504 culminava com dois afrescos de aproximadamente 7,5 x 17 metros: a Batalha de Anghiari (1440) por Leonardo da Vinci e a Batalha de Cascina, travada em 1364 contra Pisa, por Michelangelo.

Tratava-se em 1504 de tema momentoso, já que a República de Florença suportava então um longo conflito contra Pisa, apoiada por Lucca e Milão.

A fonte textual de referência para Michelangelo seria a seguinte passagem da Historia Florentina Populi de Leonardo Bruni, na tradução de Donato Acciaiuoli:

“”Fazia muito calor e grande parte dos soldados desarmados repousavam nos alojamentos ou mesmo se banhavam no rio que corria ao lado. Nenhuma suspeita havia do inimigo. E era a razão pela qual este, atacando inesperadamente as munições do campo, esperou na primeira investida poder romper as defesas e invadi-lo e, surpreendendo os soldados ociosos e desarmados, obter a vitória.

Os Aretinos montavam guarda daquele lado, os quais, mesmo tão repentinamente assaltados, não cederam e, armados e desarmados reunidos, sustentaram o embate da primeira investida do inimigo. E já se espalhava pelo campo o rumor da batalha e quem era de ânimo e valor tinha tomado das armas para resistir ao assalto.

O capitão, já velho e de grande autoridade, estudava seus homens e os confortava por quanto urgisse o tempo: e de toda a parte surgindo forças, havia-se reunido grande número de homens eleitos, os quais, não contentes em defender as munições do campo, passaram à ofensiva contra o inimigo e rechaçaram-no””.

Michelangelo executou apenas o cartão para este afresco, destruído entre agosto de 1515 e março de 1516. A presente cópia da cena dos banhistas é o principal documento visual através do qual o cartão é hoje conhecido. Ela representa decerto a cena principal de uma panorâmica composição, caso idêntico ao do grupo de cavaleiros no que respeita à batalha leonardiana. Trata-se, provavelmente, da cópia encomendada em 1542 por Giorgio Vasari a Bastiano (alias Aristotile) da Sangallo, tal como afirma o próprio Vasari:

“”Este desenho, depois, em 1542 foi copiado por Aristotile a pedido de Giorgio Vasari, amicíssimo seu, em um quadro a óleo em grisaille, e enviado por intermédio de monsenhor Giovio ao rei Francisco de França, que muitíssimo o apreciou e premiou Sangallo condignamente””.

Na sua Vida de Michelangelo, Giorgio Vasari assim descreve o cartão do afresco, destruído em 1515 e que ele conheceu apenas por fragmentos e descrições:

“”Piero Soderini, então gonfaloniere, confiou a Michelangelo, pelas grandes qualidades que lhe reconhecia, uma parte daquela sala, o que o levou, competindo com Leonardo, a cuidar da outra parede, para a qual escolheu por tema a guerra de Pisa. Para tanto, Michelangelo instalou se em uma sala do Spedale de´ Tintori, em Sant´Onofrio e aí começou um grandíssimo cartão, não permitindo, porém, que ninguém o visse.

E o fez pleno de nus, que se banhavam por causa do calor no rio Arno no momento em que soava o alarme no campo, figurando-os sob o assalto inimigo; e enquanto os soldados abandonavam as águas para vestir-se, viam-se pelas divinas mãos de Michelangelo, um a armar-se, apressado, para auxiliar os companheiros, outro a afivelar-se a couraça, e muitos a endossar outras armas, e infinitos, a cavalo, a começar a escaramuça.

Surgia entre outras figuras a de um velho sentado que, para se fazer sombra, cobrira-se com uma guirlanda de hera e não conseguia vestir as calças por ter as pernas úmidas e, ouvindo o tumulto dos soldados e os gritos e o rufo dos tambores, apressava se a enfiá las à força; e além de se ver nele todos os músculos e nervos, fazia uma contorção na boca que bem demonstrava quanto sofria e se empenhava até a ponta dos pés.

Havia os tambores também e figuras que, apenas envoltas em panos, corriam nuas ao encontro da rixa, em posições extravagantes, estes eretos, aqueles ajoelhados ou curvados ou suspensos no ar esboçados em escorços difíceis. Havia ainda muitas figuras agrupadas e em várias maneiras esboçadas, umas com contorno a carvão, outras desenhadas a traço, outras ainda esfumadas e realçadas com branco, desejando ele mostrar quanto conhecesse no ofício do desenho, o que deixou assombrados os artistas. Quem viu tão divinas figuras, assegura nada haver de sua própria mão ou de outras que se assemelhe e que engenho algum igualará tão divina arte””.

(continua nos textos que acompanham as imagens dos detalhes)”

Artista

Michelangelo Buonarroti, cópia

Data

1504/ 1542

Local

Norfolk, Holkham Hall

Medidas

76,4 x 130,2 cm

Técnica

Óleo sobre madeira

Suporte

Pintura

Tema

História Medieval Moderna e Contemporânea

Período

36 - SÉCULO XVI

Index Iconografico

866 - História militar na Europa após a Antiguidade;
866.1364 - Batalha de Cascina

Autor

Luiz Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *